Passos não quer que haja sobressaltos em relação aos salários e pensões

Líder social-democrata entende que os portugueses devem poder escolher a escola, as unidades de saúde e as valências de apoio à terceira idade que querem frequentar.

Foto
Passos: “Não é um acaso que tivéssemos conseguido vencer a emergência” Nuno Ferreira Santos

"O que é que nós queremos? Nós queremos que os próximos quatro anos não sejam anos de sobressalto, não sejam anos em que as pessoas não sabem o que é que vai acontecer com os salários, com as pensões, com os seus rendimentos ou com a sua vida. Queremos que os próximos quatro anos sejam anos de segurança, de estabilidade, de previsibilidade", disse Passos Coelho.

Num hotel de Lisboa, onde discursou no encerramento da sessão de apresentação das linhas de orientação geral para a elaboração do programa eleitoral com que a coligação OPSD/CDS-PP se vai apresentar às legislativas, o primeiro-ministro apontou os últimos anos como um período de "sobressalto" pelo qual ninguém quer voltar a passar.

"Que bom para Portugal e para os portugueses não terem de viver em sobressalto à espera de novas medidas, de novos desenlaces, sem saber o que é que poderia acontecer, por causa da, por causa do Tribunal Constitucional, por causa da oposição. E todos passámos por isso. Não queremos voltar a passar por isso”, defendeu.

O chefe do Governo puxou dos galões para dizer que “é importante mostrar hoje que não é um acaso estarmos à beira de concluir uma legislatura com a estabilidade política, apesar de termos passado pela crise de maior severidade de que os vivos têm memória”. “Não é um acaso que tivéssemos conseguido vencer a emergência, a emergência financeira, a emergência económica, a emergência social. Fizemo-lo porque tivemos sempre a preocupação de salvaguardar os portugueses.”

Passos considera que Portugal é hoje um país mais livre do que há quatro anos, porque — disse — “o nosso limite de possibilidades é hoje maior, queremos também que as pessoas possam escolher com mais liberdade aonde são mais bem atendidas, aonde podem estudar em melhores condições, aonde ter uma velhice mais apoiada, com mais dignidade, com mais humanidade".

Na altura, defendeu ainda que os portugueses devem poder escolher a escola, as unidades de saúde e as valências de apoio à terceira idade que querem frequentar. "Queremos também oferecer progressivamente uma liberdade de escolha maior para todos aqueles que querem procurar a sua escola, o seu centro de saúde, o seu hospital, o seu centro de dia", proclamou.

As linhas de orientação para o programa eleitoral da coligação PSD/CDS-PP, divulgadas esta quarta-feira, incluem, no quadro da "continuação da reforma do Estado", um compromisso com "a progressiva promoção da liberdade de escolha no âmbito dos sistemas públicos".