Ana Cravo e João Figueiredo DR
Foto
Ana Cravo e João Figueiredo DR

Minty: A moda portuguesa está online

Pelas mãos de dois jovens de Aveiro, a “Minty” nasceu coma plataforma de moda 100% portuguesa. Criada este ano, conta com dezenas de marcas nacionais

A "falta de apoios" e a "inexistência de um espaço físico” são duas das muitas razões apontadas para a criação da Minty, uma plataforma “online” que serve de mostra para muitos designers de moda nacionais.

É mais do que uma plataforma expositora já que se estende até ao campo da venda dos produtos de moda nacionais. Numa lógica diferente de muitas empresas “online”, não é necessário efectuar registo no site, pelo que basta encontrar o produto e adicioná-lo ao carrinho de compras. Em dois dias, garantem os fundadores, a encomenda chega a casa.

Ana Cravo e João Figueiredo estavam atentos às dificuldades sentidas neste sector e acreditavam que havia espaço para a "valorização" de artistas promissores. E assim, em 2013, nasceu a Minty com o intuito de promover “designers” e marcas emergentes que queiram "consolidar-se enquanto marcas", dizem.

Para já, "designers" como My Maria Guimarães, Katty Xiomara ou Manjerica usam o espaço como montra do trabalho que produzem. Lá, é possivel encontrar roupa, malas, sapatos e acessórios para homens, mulheres e crianças.

De momento, os jovens empreendedores procuram o que de mais “promissor” existe na área da moda e, ao mesmo tempo, deixam que esses mesmos "designers" venham ao encontro da plataforma. E parece que tem resultado — recebem todos os dias pedidos de integração de marcas mas nem todas podem ser aceites.

E como é que se nega ou aceita o acesso a alguém que queira estar no site? Os requisitos prendem-se com a relevância e qualidade do trabalho, mas também é valorizado o percurso académico. Além disso, há preferência pelos artistas que já tenham passado por um das maiores passerelles do país.

Os criadores do projecto, que trabalham em parceria com a agência “Models Factory”, têm notado uma “procura crescente” que resulta em cada vez mais exposição e, assim, um número maior de clientes. No futuro, esperam chegar aos EUA, Reino Unido e Alemanha dado que o poder de compra é “superior”. Ainda com o intuito de levar a moda portuguesa além fronteiras, planeiam estar presentes nas principais feiras da área. Para já, podes espreitar o site.