Lesados do BES manifestam-se junto ao fórum do BCE em Sintra

Protestos começaram pouco antes das 11h.

Fotogaleria
Os lesados pela compra de papel comercial do GES reclamam o pagamento das suas poupanças Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Mais de uma centena de lesados do papel comercial do grupo Espírito Santo manifestaram-se este sábado, em frente à entrada do hotel onde decorre o fórum mundial do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, reclamando o pagamento das suas "poupanças".

"Cerca de 98% das pessoas que estão aqui não sabiam o que era um papel comercial", afirmou Rui Alves, um dos manifestantes e membro da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC), do Grupo Espírito Santo (GES).

Os protestos começaram pouco antes das 11h, em frente a uma das entradas do Hotel Penha Longa, em Sintra, onde hoje termina o fórum do BCE.

"Abram os portões das prisões, metam lá os burlões", lia-se em cartazes empunhados pelos manifestantes, que protestavam ao som de buzinas, bombos e apitos.

Alguns ostentavam máscaras de Carlos Costa, governador do Banco de Portugal (BdP), de Stock da Cunha, presidente do Novo Banco, e de Mario Draghi, presidente do BCE.

Os dirigentes da associação pediram para entregar uma carta a Mario Draghi a reclamar o pagamento dos investimentos em papel comercial do GES contraídos aos balcões do BES.

O presidente da AIEPC, Ricardo Ângelo, explicou à Lusa que na carta é solicitada uma reunião para esclarecer todo o processo, "dizendo que o Banco de Portugal, em prol de resolver e salvar a banca, lesou mais uma vez os cidadãos e os depositantes de um banco". "O dr. Carlos Costa, com a [anunciada] recondução, não sei se ele acredita em Deus ou não, mas é uma oportunidade de se redimir. Se não acreditar em Deus, é a ministra das Finanças que lhe vai dar uma oportunidade de fazer o bem", ironizou.

Ricardo Ângelo considerou "natural" a existência de eventuais acusações judiciais contra responsáveis do GES, por práticas lesivas de clientes do BES, acrescentando que a associação "vai entregar processos-crime" contra os dirigentes das entidades bancárias. Um dos lesados, António Cardoso, 68 anos, residente em Rio de Mouro, contou que a gestora do BES lhe garantiu, em Janeiro de 2014, que o investimento de 50.000 euros na Espírito Santo participações "estava seguro" até ao montante que alegou ter sido levado a aplicar.

A deputada Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, associou-se à concentração e disse não ter dúvidas de que, no caso do papel comercial do GES, houve pessoas que "foram enganadas" e merecem que as entidades reguladoras "se entendam". "Vimos sobretudo alertar para uma resposta muito clara a estas pessoas e um entendimento o mais rapidamente possível", disse a deputada, que integrou a comissão parlamentar de inquérito ao caso GES/BES.

O Bloco de Esquerda não compreende "como é que o BCE se vem introduzir" na questão, ao pretender ser informado da solução, que "não está no seu poder", porque a resolução foi feita pelo Banco de Portugal e acompanhada pelo Governo português e cabe às entidades supervisoras e ao Novo Banco "decidir uma solução", frisou Mariana Mortágua.

"Fomos roubados! Para que serve o Banco de Portugal?", lia-se numa faixa presa junto à entrada no empreendimento turístico, junto de outros cartazes com mensagens semelhantes em inglês.

As autoridades desviaram os clientes do hotel para outros acessos ao empreendimento, permitindo a concentração até junto dos portões, distantes do local da reunião do BCE. Poucos depois da 13h, a centena e meia de pessoas que entretanto engrossou o número inicial de manifestantes dispersou, com agradecimentos aos responsáveis da GNR que comandaram o dispositivo de segurança em redor do empreendimento.

O segundo fórum mundial do BCE junta na luxuosa unidade hoteleira à beira da serra de Sintra, desde quinta-feira, algumas das mais influentes personalidades do mundo da política monetária para debater o desemprego e a baixa inflação na Europa.