Domesticação do cão iniciou-se há pelo menos 27.000 anos

O cão descende do lobo e essa separação começou há muito mais tempo do que se pensava até agora, conclui um estudo genético.

A mandíbula de um lobo antigo de Taimir
Fotogaleria
A mandíbula de um lobo antigo de Taimir Love Dalén
Pedaço da costela do lobo com 35.000 anos usada no estudo genético
Fotogaleria
Pedaço da costela do lobo com 35.000 anos usada no estudo genético Love Dalén

O osso de um lobo com 35.000 anos, encontrado na Sibéria, trouxe um novo olhar à longa relação da humanidade com o cão, mostrando que a domesticação deste animal terá ocorrido mais cedo do que se pensava até agora. Os cães actuais, desde o Chihuahua ao dogue alemão, descendem de lobos domesticados pelos humanos nos tempos pré-históricos, mas quando ocorreu essa domesticação é uma questão ainda em debate.

A equipa do geneticista Love Dalén, do Museu Sueco de História Natural, analisou o genoma de um lobo que viveu na Península de Taimir, num artigo científico publicado esta quinta-feira na revista Current Biology. Os cientistas tinham encontrado parte de uma costela no solo permanentemente congelado (permafrost) da Sibéria, durante uma expedição à Península de Taimir em 2010. No início, nem tinham percebido que o osso era de um lobo, o que só aconteceu mais tarde com o resultado de testes genéticos, refere um comunicado de imprensa do grupo editorial Cell Press, que edita a revista Current Biology

Além disso, o osso podia ser de um lobo actual, uma vez que estes animais são comuns na Península de Taimir. Por isso, os cientistas decidiram fazer-lhe uma datação por radiocarbono e foi então que se aperceberam de que tinham em mãos o osso de um lobo com 35.000 anos.

Sequenciaram também o genoma retirado do osso e, em seguida, compararam-no com o de cães e lobos actualmente existentes. Mais especificamente, fizeram comparações do ADN mitocondrial, que é transmitido apenas pela mãe aos filhos. Como o ADN mitocondrial sofre mutações ao longo das gerações, a ritmos mais ou menos conhecidos, pode ser usado como um relógio molecular que permite andar para trás no tempo. E, dessa forma, permite fazer estudos populacionais e chegar a linhagens maternas mais antigas.

Utilizando esta informação genética, os cientistas concluíram que o lobo de Taimir que viveu há 35.000 anos pertencia a uma população que deverá representar o antepassado mais recente comum aos cães e aos lobos actuais. Mas esse indivíduo em particular, embora fosse um lobo, já estaria numa fase intermédia para o cão. “Descobrimos que este indivíduo pertencia a uma população que divergiu do último antepassado comum dos lobos e cães actuais, já numa altura muito próxima do aparecimento da linhagem do cão doméstico [propriamente dito]”, especifica o artigo científico.

Os cientistas estimaram então que a domesticação do cão terá começado entre há 27.000 anos e 40.000 anos. Estudos genéticos anteriores de cães e lobos actuais tinham calculado que os cães tinham começado a ser domesticados entre há 11.000 e 16.000 anos, baseando-se em taxas de mutação genéticas que pressuponham uma determinada velocidade.

A descoberta deste osso antigo permitiu aos cientistas, mais uma vez comparando-o com o ADN de lobos e cães actuais, fazer algumas recalibrações. “Utilizámos o genoma do lobo antigo, que foi directamente datado, para recalibrar o calendário molecular dos lobos e cães e verificámos que a taxa de mutações é substancialmente mais lenta do que foi assumido pela maioria dos estudos anteriores”, refere ainda o artigo. Ora se as mutações genéticas ocorreram a um ritmo mais lento, então os antepassados dos cães separaram-se dos lobos há mais tempo e a domesticação do cão aconteceu mais cedo do que se pensava.

“Os nossos resultados fornecem provas directas de uma divergência mais antiga das linhagens do cão e do lobo do que se assumia antes, o que sugere que os cães [domésticos] podem ter surgido mais cedo do que geralmente se aceita”, diz o artigo. “Esta divergência mais antiga é consistente com diversos relatos paleontológicos [encontrados em escavações arqueológicas] de canídeos parecidos com cães com mais de 36.000 anos.”

“A diferença entre os estudos anteriores e o nosso é que nós calibrámos a taxa das mudanças evolutivas directamente no genoma do cão e do lobo, e descobrimos que a primeira separação dos antepassados do cão tem de ter sido mais antiga”, sublinha, por sua vez, o geneticista Pontus Skoglund, da Escola de Medicina de Harvard (Estados Unidos), citado pela agência Reuters.

É provável que o lobo antigo agora estudado tenha feito parte de uma população de lobos que vagueava pelas estepes e pela tundra durante a última idade do Gelo, caçando presas grandes, como bisontes, bois-almiscarados e cavalos. “Uma das explicações mais simples é que os caçadores-recolectores podem ter apanhado crias de lobos, o que é extremamente fácil, e tê-las mantido em cativeiro como sentinelas contra os grandes predadores da última Idade do Gelo, como ursos e leões das cavernas, e outros mamíferos perigosos, como mamutes, rinocerontes lanudos e outros humanos”, disse Love Dalén.

Ao ser reproduzido em cativeiro durante gerações, o lobo foi-se tornando mais dócil e desenvolveu traços morfológicos diferentes dos seus antepassados selvagens.

No caso do Husky siberiano e do cão da Gronelândia, o estudo genético concluiu ainda que partilham um grande número de genes do lobo de Taimir. “A explicação mais provável é que as populações de cães domésticos da Sibéria, que seguiam os grupos de humanos nas latitudes Norte, se tenha reproduzido com os lobos locais”, explicou Pontus Skoglund, segundo a Reuters.

Mas o osso deste lobo de Taimir pode estar a contar-nos apenas um dos vários eventos de domesticação do cão. Pensa-se, aliás, que várias populações de lobos podem ter sido domesticadas em diferentes locais ao mesmo tempo. Seja como for, o resultado final é conhecido. O cão é agora o melhor amigo do homem.