Bloco quer explicações do MAI sobre preparação da PSP para lidar com violência no desporto

Deputada Cecília Honório denuncia que há imagens a correr no YouTube com disparos feitos pela polícia que terão atingido várias pessoas junto ao metro do Campo Grande.

Para a deputada Cecília Honório, a actuação da polícia foi “desproporcionada”
Foto
Para a deputada Cecília Honório, a actuação da polícia foi “desproporcionada” Ricardo Castelo\NFACTOS (arquivo)

As imagens dos incidentes na sequência dos festejos da vitória do Benfica no campeonato levaram o Bloco de Esquerda a exigir explicações à ministra da Administração Interna. Os bloquistas querem saber que tipo de formação e que orientações estão a ser dadas às forças de segurança para lidarem com a violência no desporto e neste tipo de eventos.

Para a deputada Cecília Honório, as imagens transmitidas pelas televisões e também um vídeo disponível no YouTube com imagens de disparos feitos pela polícia em Alvalade, junto ao metro do Campo Grande, que atingiram várias pessoas, mostram que a actuação das forças de segurança foi “desproporcionada”, mostrou um “forte descontrolo” e criou “mais problemas do que aqueles que procurou resolver”.

“Tivemos hoje conhecimento de preocupantes indícios de descontrolo policial de Guimarães a Alvalade, desde uma família agredida — um pai e um avô — em frente a crianças, até dezenas de balas que foram disparadas em Alvalade muito perto do metro, provocando danos às pessoas”, descreveu Cecília Honório aos jornalistas no arranque das jornadas parlamentares do Bloco de Esquerda que decorrem esta segunda e terça-feira no distrito de Setúbal.

“Aquilo que exigimos ao Governo e à ministra da Administração Interna são esclarecimentos imediatos sobre a actuação das forças de segurança, cujo papel é preservar a segurança de cidadãos e cidadãs em acontecimentos desta natureza”, apontou a bloquista, que acrescentou: “São cenas muito tristes — para a democracia, para o desporto e para a festa desportiva.”

Classificando de “importante” que o MAI abra um inquérito ao que se passou, como o gabinete de Anabela Rodrigues já anunciou esta segunda-feira de manhã, Cecília Honório realçou que “o que está em causa é mais do que isto”: “É preciso questionar sobre as orientações concretas que estão a ser dadas às forças de segurança para actuarem neste contexto e, ao mesmo tempo, que formação está a ser dada para se ter a melhor reacção em quadros deste tipo.”