DR
Foto
DR

Sul-africanos em queda, Hurricanes devastadores

Waratahs e Brumbies regressaram às vitórias e continuam na luta pelo melhor lugar no play-off do Super Rugby

A 14.ª jornada do Super Rugby revelou-se desastrosa para as quatro equipas sul-africanas que estiveram em competição, que saíram todas derrotas dos seus embates. Os Reds fizeram uma pequena prova de vida ao arrancarem uma vitória frente aos Rebels e, no embate da jornada, os Hurricanes fincaram o pé frente aos Chiefs, ganharam por 22-18, e são cada vez mais lideres incontestados da competição.

 

 

PÚBLICO -
Foto

Blues-Bulls (23-18)

Os Blues conseguiram uma inesperada vitória (terceira da época) frente aos Bulls, apesar de ambas as equipas terem marcado dois ensaios. A diferença esteve nos pontapeadores: Ihaia West conseguiu três penalidades e duas conversões; Handre Pollard duas penalidades e apenas uma conversão. Os Bulls tiveram mais posse e território, com Jan Serfontein inspirado (dois ensaios), mas cometeram demasiados erros que revelar-se-iam fatais. Para a semana, os Bulls vão até Hamilton defrontar os Chiefs, pelo que o sexto lugar dos africanos está em risco.

 

 

Reds-Rebels (46-29)

Num duelo entre uma equipa que anda muito desinspiradas durante esta época (Reds) e outra que tem oscilado entre brilharetes e jogos desastrados, foram marcados 10 ensaios (seis para os Reds e quatro para os Rebels). Esta foi a terceira vitória da formação de Queensland, a primeira com ponto de bónus. A equipa da casa conseguiu recuperar de uma desvantagem de seis pontos para ganhar por uma margem de 17 pontos, muito fruto de cinco ensaios de rajada na segunda parte. O início do encontro foi dos Rebels, com Stefanaia Navalu a fazer um bis e com o outro ponta, Dom Shipperley, a usar também o seu corredor para massacrar a equipa adversária. A reviravolta começou com um bis de Lachie Turner e só acabou com o sexto ensaio marcado por Liam Gill. Os Reds fogem assim ao último lugar, mas por apenas um ponto (Force em último).

 

 

Hurricanes-Chiefs (22-18)

Os Hurricanes estão cada vez mais fortes, com desempenhos sólidos e vitórias que lhes permitem seguir em primeiro lugar com 52 pontos, já a 13 dos segundos. Neste jogo, as duas equipas exibiram um jogo muito positivo e atractivo com as suas linhas atrasadas a renderem ensaios. Ma’a Nonu, com dois ensaios, e Ardie Savea fizeram as delícias das hostes de Wellington, enquanto para os Chiefs, que têm bastantes lesionados mas mesmo assim conseguiram oferecer uma boa réplica, os ensaios vieram através de Ngatai e Sam Cane. O segundo toque de meta de Ma’a Nonu surgiu ao minuto 67, fruto de uma intercepção de bola e de uma corrida de 40 metros para conseguir aquele que foi o seu ensaio 50 na prova.

 

 

Waratahs-Sharks (33-18)

A sexta derrota seguida dos Sharks constituiu-se como o pior desempenho da equipa em quinze anos. O domínio dos Waratahs, porém, não foi claro, e os australianos realizaram uma exibição errática: entraram fortes com um ensaio ao primeiro minuto de Adam Ashley-Cooper, mas depois desse momento foi taco a taco com os sul-africanos. O triunfo australiano acabou por ser conseguido à custa de três ensaios (um deles de Naiyaravoro, o novo reforço dos Glasgow Warriors) contra dois dos Sharks.

 

 

Lions-Brumbies (20-30)

Os Brumbies conseguiram uma vitória bonificada, após baterem os Lions por quatro ensaios a dois. A equipa de Canberra passou assim para quarto lugar na tabela geral a apenas um ponto dos Chiefs e Highlanders e a 14 pontos dos Hurricanes. Os Brumbies geriram muito bem o jogo, atacando com segurança e com uma defesa bem montada, fazendo lembrar as exibições mais conseguidas do início da época. Os ensaios australianos surgiram pelos incontornáveis Kuridrani, Vaea, Lealiifano e Tomane.

 

Cheetahs-Highlanders (24-45)

Os Highlanders conseguiram uma vitória com bónus ofensivo frente aos Cheetahs, com sete ensaios marcados: bis de Aaron Smith e de Ryan Tongia, este na sua estreia no Super Rugby. Com o resultado em 3-26 ao intervalo, a equipa de Bloemfontein apenas conseguiu reagir quando já perdia por 35 pontos (3-38), tendo chegado ao ensaio pelo ponta Rayno Benjamin, pelo segunda-linha Carl Wegner e pelo segundo centro François Venter, num curioso período de apenas sete minutos.