Primeiro-ministro do Luxemburgo casou-se com arquitecto belga

O liberal Xavier Bettel tornou-se o primeiro líder da União Europeia a casar com um parceiro do mesmo género.

Primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel (à direita) casou-se esta sexta-feira
Foto
Primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel (à direita) casou-se esta sexta-feira REUTERS/Francois Lenoir

O primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel, tornou-se o primeiro líder da União Europeia (e o segundo da Europa) a casar com um parceiro do mesmo sexo. Bettel, de 42 anos, casou-se esta sexta-feira com o seu namorado de longa data, o arquitecto belga Gauthier Destenay, numa cerimónia privada. Os dois já tinham oficializado a sua união de facto em 2010: agora, tornaram-se um dos primeiros casais homossexuais a beneficiar da alteração legislativa que alargou o direito ao casamento a casais do mesmo género no grão-ducado.

O casamento foi celebrado pela autarca da capital, Lydia Polfer, a madrinha política do liberal Xavier Bettel. Entre os convidados estava o primeiro-ministro da Bélgica, o também liberal Charles Michel. Mais de 200 pessoas aguardaram pela entrada e saída dos noivos à porta do hotel de ville (a câmara municipal) da Cidade do Luxemburgo, para os cumprimentar e desejar felicidades. O casal apareceu ao balcão para agradecer, e foi saudado com aplausos e arroz.

Segundo a AFP, o casamento do primeiro-ministro foi interpretado pelos comentadores como um “bom sinal” e uma “mensagem positiva” da evolução de mentalidade da sociedade luxemburguesa, que é maioritariamente católica. Xavier Bettel nunca escondeu a sua homossexualidade dos seus eleitores. “Se o fizesse, seria um infeliz. Nunca seria capaz de viver um relacionamento em segredo. E penso que quem quer estar na política deve ser honesto, o que implica dizer a verdade e também aceitar-se tal como é”, justificou, numa entrevista à RTBF.

Bettel chegou ao poder no fim de 2013, depois de derrotar os cristãos-sociais de Jean-Claude Juncker, governa em aliança com os socialistas e os Verdes. Na tomada de posse, prometeu modernizar a sociedade luxemburguesa, alterando leis e avançando com reformas tanto de cariz político como social. Uma das primeiras medidas foi a legalização do casamento e da adopção de crianças por casais gay, aprovada por larga maioria em Junho de 2014. O edital que publicitava a intenção de casar do primeiro-ministro foi publicado dois meses após a aprovação da lei, que apenas entrou em vigor no início deste ano.

Em Junho, o Luxemburgo vai realizar um referendo para limitar o mandato dos políticos a um máximo de dez anos, conceder o direito de voto nas legislativas a todos os estrangeiros com mais de dez anos de residência no país e atribuir o direito ao voto a partir dos 16 anos.

A agenda próxima do primeiro-ministro continua ocupada: na próxima semana participa num fórum económico no Cazaquistão e em Julho assume a presidência da União Europeia – razão pela qual, segundo a AFP, o novo casal não terá lua de mel.