Torne-se perito

A que soam e como suam as noites de Londres

Inspirados pela club culture londrina, Cecilia Bengolea e François Chaignaud criaram uma eufórica coreografia que esta quinta-feira se apresenta no Teatro Maria Matos, em Lisboa, integrada no ciclo Gender Trouble.

Foto
Uma celebração em palco da club culture londrina Emile Zeizig

Integrado no ciclo Gender Trouble que o Teatro Maria Matos, em Lisboa, dedica às questões de género (tendo no seu centro a presença de Judith Butler, uma das precursoras da teoria queer), o espectáculo altered natives’ Say Yes to Another Excess – TWERK é menos um manifesto político ou artístico do que uma festa.

A coreografia em estado de euforia de Cecilia Bengolea e François Chaignaud que esta quinta-feira se apresenta no teatro lisboeta é sobretudo uma celebração em palco da club culture londrina, afinando a mira especificamente na direcção do género musical grime.

“A Cecilia foi a primeira a interessar-se e sentir-se atraída por essa música porque viveu em Londres e contactou de perto com esse meio”, conta Chaignaud ao PÚBLICO. “Mas depois também achei que era uma música muito electrizante, muito natural e popular, mas que conseguiu não ser estragada pela indústria mainstream.” O ponto de encontro de diferentes culturas específico do grime – um triângulo amoroso composto por hip hop norte-americano, UK garage britânico e dancehall jamaicano – acabou por seduzir a dupla para a criação de uma peça que se alimenta da energia esfuziante e muito sexual da música e da forma como é dançada, mas assumindo que mesmo o que possa haver de transferência da observação nos clubes passado para o palco resulta de um trabalho verdadeiramente coreográfico e dá forma a um objecto distinto.

A questão é sensível para ambos. François defende que talvez só na Europa exista a ideia de que a vida nocturna se faz procurando largar as regras do dia-a-dia e caindo numa confortável zona de inconsciência. “Só que estes sítios, clubes e discotecas”, defende, “estão cheios de convenções e de regras das suas culturas. Todas estas linguagens, seja dancehall, krump ou reggae, são muito coreografadas, não se dançam de qualquer maneira.” O que os dois pretendem, portanto, é reconhecer que estas têm direito a entrar nos teatros como qualquer outro reportório da dança clássica ou moderna. Com a ressalva, acrescenta Cecilia Bengolea, de que nesse gesto não existe qualquer legitimação. “Esta cultura é muito útil nas ruas, precisa de estar lá e não melhora por subir a um palco. As danças de rua não precisam de mim para serem melhores ou serem arte.”

O perigo de não saber
Sem que siga uma abordagem teórica sobre papéis de género e identidade sexual, altered natives, joga-se bastante, admite Chaignaud, numa projecção da forma como “cada um quer ser desejado e como se quer apresentar aos outros”. “Isso não faz parte de um statement, é antes a consequência de as nossas peças responderem por aquilo que somos nas nossas vidas. E claro que a identidade é uma grande parte disso.” Em cada movimento existe depois toda a apreensão do seu contexto original. Em palco, Bengolea não consegue evitar corporizar acções do dancehall – “uma das danças mais sexuais que existem”, classifica – que, aprendeu nas suas frequentes viagens à Jamaica, foram criadas pelas mulheres acreditando ter “efeitos contraceptivos” e ajudar a curar dores menstruais.

Aquilo que seduz a bailarina e coreógrafa é a forma como o dancehall, na Jamaica, dessacraliza a energia sexual, tornando-a menos privada e íntima, algo usado de forma lúdica, destravada e entre amigos. De certa forma, é esse despudor que entra também em altered natives (aproveitando o parentesco com o grime), nesta instalação de uma festa num palco de teatro em que os bailarinos gostam de sentir “o perigo, de não saber o que vai acontecer”. É que, tal como numa discoteca, as coreografias existem, mas os DJ que actuam ao vivo têm sempre o poder de impor novos percursos.

Sugerir correcção