A Anita sempre se chamou Martine

Para nós, portugueses, a menina doce e bem-comportada dos livros de infância será sempre a Anita. Mas Martine é o seu nome original.

Fotogaleria
Um dos novos livros em que a personagem se passa a chamar Martine, o seu nome original dr
Fotogaleria
Um dos novos livros em que a personagem se passa a chamar Martine, o seu nome original dr
Fotogaleria
Um dos novos livros em que a personagem se passa a chamar Martine, o seu nome original dr
Fotogaleria
Uma edição da Anita quando era editada pela Verbo Infantil dr
Fotogaleria
Uma edição mais recente da Anita dr
Fotogaleria
Uma edição mais recente da Anita dr
Fotogaleria
Uma edição mais recente da Anita dr

Aos 61 anos, Anita mudou de nome. Na verdade, recuperou o nome original: Martine. Porquê e para quê?, questionam-se os leitores que já não são crianças há muito tempo, mas que têm memórias desta personagem bem-comportada que era das poucas dadas a conhecer em edições ilustradas (e cuidadas) num panorama árido de publicações para a infância em Portugal nos anos 1960.

“Os livros da Anita são maus livros muito bem feitos”, disse-nos um dia o professor universitário de Literatura para a Infância e Juventude José António Gomes.

O primeiro livro da Anita foi publicado em 1954, com o título original Martine à la ferme (Anita na Quinta), com texto do escritor e poeta francês Gilbert Delahaye e ilustrações do belga Marcel Marlier.

Agora, em 2015, segundo a informação que nos chegou, a Casterman e a Zero a Oito “acreditaram que seria a altura perfeita para trazer à protagonista o seu nome original: Martine. Simon Casterman, descendente do fundador da editora-mãe da Martine, justifica assim a decisão:Achámos que era altura de fazer algumas alterações na vida de uma das mais queridas figuras femininas da literatura para crianças. Muitos editores e tradutores com quem falámos concordaram que estava na altura de fazer uma nova tradução. (…) Duas gerações de leitores partilharam com grande entusiasmo as aventuras de Anita: agora é altura de passar essas histórias à próxima geração.’”

É um golpe de marketing?, perguntámos a Joana Faneco, responsável pelo marketing e comunicação da editora. Resposta obtida via email: “Esta mudança é uma estratégia global da editora Casterman, que pretende tornar a marca ‘Martine’ universal. Cada vez mais as crianças de todo o mundo estão unidas pelas mesmas histórias, pelos mesmos temas, pelos mesmos heróis de animação. Todas elas sabem quem é o Mickey, o Noddy e o Harry Potter. Esta razão, aliada ao conceito de ‘aldeia global’ em que vivemos actualmente, faz com que a decisão de voltar às origens ganhe todo o sentido.”

Não anteviram que mexer com “a memória afectiva literária” poderia afastar os potenciais consumidores/compradores dos livros? Não tiveram em consideração que a nostalgia dos adultos pode ser um impulsionador das leituras das novas gerações e que a “simples” mudança do nome pode gerar “anticorpos” e diminuir as vendas?

Não Mexam na Anita, Seus Badalhocos!
“Obviamente que todos temos pena de deixar para trás um nome que fez parte da nossa infância. Aliás, a maioria da nossa empresa é constituída por mulheres de várias gerações, e compreendemos bem o significado desta mudança”, responde Joana Faneco, já depois de a Mixórdia de Temáticas, do humorista Ricardo Araújo Pereira, na manhã desta quinta-feira, ter lançado na Rádio Comercial o movimento Não Mexam na Anita, Seus Badalhocos!



Quisemos saber os efeitos da iniciativa dos humoristas nas rotinas da editora: “Começámos a perceber o burburinho que, aos poucos, se foi criando na comunicação social e nas redes sociais sobre este tema. Muitas pessoas nos têm ligado para partilhar a sua opinião e temos sempre tentado explicar as razões que estão por detrás desta mudança e, principalmente, que as histórias não mudaram.”



A responsável pela comunicação recua no tempo: “Quando voltámos a trabalhar esta colecção, vieram à memória todas as recordações e sentimentos de criança que nos fizeram tão felizes. E aos poucos fomos percebendo que o encanto da Martine vai muito para além do nome. As ilustrações e os valores que os livros transmitem continuam lá, iguais, sem tirar nem pôr: a família, o respeito pela natureza e pelos animais, a amizade, etc.”

Joana Faneco admite riscos comerciais: “Sabemos que esta decisão poderá afectar as nossas vendas, mas preferimos trazer de volta a colecção a Portugal com o nome Martine. Este não é um sentimento de uma pessoa só, mas sim de toda uma equipa. Só no projecto Martine estiveram envolvidas mais de dez pessoas.”

Na impossibilidade de contacto directo com o coordenador editorial (filho do fundador da Verbo) nem com a directora-geral da Zero a Oito, Maria Morais Leitão (que acompanhou o processo desde o início), Joana Faneco informou que esta decisão de “rebaptizar” a Anita “foi tomada pela editora Casterman e pela Zero a Oito, em conjunto”. E já estão editados em Portugal dez títulos com o nome Martine. 

Livros próximos da pintura
A responsável pelo marketing deu ainda alguns pormenores sobre a actualização de contextos: “O trabalho que desenvolvemos foi muito meticuloso. Preocupámo-nos também em adequar alguns detalhes dos livros à fonética e à realidade das crianças de hoje. A alusão a objectos como o gira-discos (no livro Martine Faz Anos) é um exemplo da importância de ajustar estas histórias. Uma simples mudança de – ‘Vamos dançar ao som do gira-discos!’ para ‘Vamos dançar!’ –, que faz todo o sentido e que torna estes livros mais acessíveis ao público infantil da actualidade.”

A menina doce e bem-comportada foi criada após a II Guerra Mundial, depois de um período conturbado. As narrativas organizam-se sempre em torno da menina, onde até os pais são personagens secundárias, com muito pouco peso na acção e na ilustração.

Plasticamente falando, os livros da Anita distinguiram-se imediatamente dos infanto-juvenis da sua época. “Estavam próximos da pintura, com aguarela e guache. O traço era mais liso e brilhante do que nas ilustrações mais comuns daqueles tempos”, disse a editora Maria José Pereira no aniversário dos 60 anos da Anita (agora Martine) na edição do ano passado do Livros a Oeste.