Protecção de Dados suspende aplicação da Deco para submeter IRS

CNPD acusa associação de aceder aos dados fiscais dos utilizadores da aplicação.

Foto
Filipa Galvão, presidente da Comissão de Protecção de Dados Enric Vives-Rubio

A Deco contesta a acusação da CNPD, garantindo que “não recolhe dados fiscais dos utilizadores” e que se “limitava a ceder um programa que era instalado no computador de cada contribuinte, não tendo em momento algum a ele acesso ou aos dados inseridos”.

A suspensão da página tem efeitos imediatos, não sendo mais possível aceder-lhe, descarregar o programa, nem pedir o código de activação. A associação garante que “quem já tirou partido desta ferramenta para preencher o IRS pode ficar descansado, porque a suspensão da página não põe, de forma alguma, em causa as declarações já submetidas”.

Questionado pelo PÚBLICO se o programa foi desenhado internamente ou contratado a uma empresa, Joaquim Rodrigues da Silva, representante da Deco, adiantou que a plataforma foi elaborada pela empresa Ginocar Produções, que detém a publicação Informador Fiscal. Rodrigues da Silva assegura que a Deco tem “absoluta confiança neste parceiro, que, no exercício da sua actividade, tem compromissos de sigilo e confidencialidade”. “Temos perfeita noção de que estamos a falar de dados sensíveis”, diz o representante da Deco, frisando que a parceria com o Informador Fiscal começou há 11 anos, primeiro, com uma ferramenta disponibilizada em CD e, mais tarde, através da plataforma online.

De acordo com um comunicado da Deco, a associação diz ter sido acusada pela CNPD de “aceder aos dados fiscais dos utilizadores da aplicação” e contestou essa acusação no período legal para responder à acusação da CNPD. Mais tarde, foi contactada por carta para que procedesse à suspensão imediata da página, para a qual já fora notificada quando a CNPD enviou o projecto de deliberação. Uma entidade que falhe a notificação à CNPD pode incorrer numa coima entre 3000 a 30 mil euros. Falta ainda conhecer a decisão final da CNPD.

Entretanto, a Deco Proteste refere que “os 110 mil contribuintes que já descarregaram a aplicação podem continuar a usá-la para simular ou cumprir as suas obrigações fiscais até ao final de Maio, momento em que termina o prazo legal de entrega”.

“Melhorámos uma aplicação que já disponibilizávamos desde 2004 aos nossos associados, primeiro em CD e, mais tarde, pela Net, e tornámo-la acessível a todos os portugueses. Estamos conscientes das dificuldades que os contribuintes sentem todos os anos no momento de preencher o IRS. Por isso, é sem surpresa que temos recolhido um feedback muito positivo de quem já usou o IRS Sem Custo”, refere o esclarecimento da Deco.

A associação de defesa do consumidor assegura ainda que “tudo irá fazer para reverter a situação e poder voltar a proporcionar aos contribuintes um programa que não só ajuda a entregar o IRS de forma simples e gratuita, como ainda dá conselhos acerca das opções fiscalmente mais vantajosas”. “É lamentável que os contribuintes fiquem impedidos de beneficiar de uma aplicação que simplifica aquilo que é uma dor de cabeça e ensina a poupar nos impostos, por causa de uma acusação sem sentido”. Com Pedro Crisóstomo