A arte da Bienal de Veneza

Todos os Futuros do Mundo é o tema da 56ª edição da Bienal de Veneza, que abriu ao público este sábado. Portugal é representado por João Louro.

Fotogaleria
Obras do artista português João Louro João Miranda
Fotogaleria
Obra do artista português João Louro João Miranda
Fotogaleria
Peça de Sarah Lucas no pavilhão britânico
Fotogaleria
Peça de Sarah Lucas no pavilhão britânico
Fotogaleria
Um visitante anda sobre o tecto de vidro do pavilhão da Rússia
Fotogaleria
Occupations/Discoveries, uma instalação do artista brasileiro Antonio Manuel
Fotogaleria
Pavilhão da Coreia do Sul com obras dos artistas Moon Kyungwon e Jeon Joonho
Fotogaleria
Instalação que é parte da performance de Camille Norment Trio no pavilhão da Noruega
Fotogaleria
Um visitante passa por uma pintura sem título da artista australiana Fiona Hall no pavilhão da Austrália
Fotogaleria
Cate Blanchett visitou o pavilhão do seu país, a Austrália
Fotogaleria
Cate Blanchett visitou o pavilhão do seu país, a Austrália
Fotogaleria
Speculating on the Blue, instalação de Flaka Haliti no pavilhão de Kosovo
Fotogaleria
Celeste Boursier-Mougenot e a sua árvore móvil no pavilhão de França
Fotogaleria
Pavilhão de França
Fotogaleria
Our Product de Pamela Rosenkranz no pavilhão da Suíça
Fotogaleria
O artista israelita Tsibi Geva em frente ao pavilhão de Israel, coberto de pneus
Fotogaleria
Pavilhão de Espanha com instalação de Pepo Salazar
Fotogaleria
Pepo Salazar no pavilhão de Espanha
Fotogaleria
Pepo Salazar em frente à sua instalação
Fotogaleria
Obra da artista russa Irina Nakhova no pavilhão da Rússia
Fotogaleria
Obra da artista russa Irina Nakhova no pavilhão da Rússia
Fotogaleria
Pavilhão da Rússia
Fotogaleria
The Key in the Hand, instalação da japonesa Chiharu Shiota
Fotogaleria
Pavilhão do Japão com obra de Chiharu Shiota
Fotogaleria
Veneza
Fotogaleria
Armando Lulaj no pavilhão da Albânia
Fotogaleria
O escultor Juan Carlos Distefano no pavilhão da Argentina
Fotogaleria
Os artistas canadianos Sebastien Guiguere (à esq.), Nicolas Laverdiere eJasmin Bilodeau (à dta.), na sua instalação Canadassimo no pavilhão do Canadá
Fotogaleria
Uma mulher veste uma burqa amarela durante a perfomance artística High Visibility Burqa
Fotogaleria
Luzzara, obra do italiano Claudio Parmiggiani no Pavilhão de Itália
Fotogaleria
Paduli do italiano Mimmo Paladino

Uma mesquita instalada numa igreja católica. A Índia ao lado do Paquistão. Ou, como a arte pode apagar possíveis barreiras, esbater fronteiras e lançar o diálogo para o futuro. É essa a proposta da 56ª edição da Bienal de Veneza, que arranca agora e se prolonga até 22 de Novembro. Portugal está representado por João Louro.

Okwui Enwezor, o curador e escritor nigeriano escolhido para a direcção artística da edição deste ano da Bienal de Veneza, um dos eventos mais importantes do calendário das artes, lançou o desafio e os países e os seus artistas responderam. Alguns com pavilhões próprios, outros com apenas pequenas participações em exposições colectivas que integram a programação. All the World's Futures (Todos os futuros do mundo) foi o tema escolhido por Enwezor, que quer olhar para o estado “convulsivo do mundo”.

A Bienal de Veneza abriu ao público neste sábado, dia 9, e termina a 22 de Novembro. Antes do fim-de-semana, foram as inaugurações para a imprensa e convidados. Quanto à representação portuguesa, João Louro mostra no Palácio Loredan as suas Blind Images e os Dead Ends.