Sismo

Quando a terra treme

“Abalo ou tremor de terra causado pela deslocação das placas tectónicas da Terra”, lê-se num dicionário comum. A Enciclopédia Geográfica dá mais pormenores que ajudam a perceber o recente sismo no Nepal: “As zonas de maior intensidade sísmica, ou cinturas sísmicas, coincidem com muita frequência com margens de placas, o que sugere estarem essas zonas intimamente relacionadas com a tectónica das placas. Uma das cinturas, o chamado Anel de Fogo, rodeia o oceano Pacífico. A segunda cintura estende-se para oeste através da China, ao longo dos Himalaias, e do Irão e depois para norte e sul do Mediterrâneo.”
Foi na “zona de colisão” entre a placa tectónica indiana e a placa eurasiática que ocorreu o abalo de magnitude 7,8 (escala de Richter). Yann Klinger, do Centro Nacional de Investigação Científica francês, explicou à AFP: “A placa indiana desloca-se para norte ao ritmo de quatro centímetros por ano”, enfiando-se cada vez mais um pouco por baixo da eurasiática. A este fenómeno chama-se “subducção”.
Milhares de mortos (estima-se que se alcance os 10 mil) e de desalojados, com mais de um milhão de pessoas a precisar de ajuda alimentar, foi o resultado desta “vibração da crosta terrestre”. Katmandu deslocou-se uns metros e viu a sua morfologia alterada. “A zona em redor de Katmandu terá ‘escorregado uns três metros para sul’ (...) [e] a região da capital nepalesa ganhou cerca de 50 centímetros de altitude enquanto uma outra zona, mais a norte, desceu 50 centímetros”, noticiou-se na quarta-feira.
Há duas maneiras de medir um sismo — pela sua intensidade (efeitos e estragos, escala de Mercalli) e pela sua magnitude (amplitude das ondas sísmicas, escala de Richter). Desconhece-se ainda escala capaz de medir o desespero, a perda e o sofrimento.