Marco António Costa diz que há "todas as razões" para a coligação PSD/CDS-PP

Social-democrata sublinhou que a coligação foi apresentada “no momento em que ambos os partidos consideraram que era o momento adequado” e que “não nasce de um ato espontâneo, nasce do trabalho de quatro anos”.

Marco António Costa acentuou os "sinais ténues" de crescimento
Foto
Marco António Costa diz que ouviu com “alguma estranheza” as “críticas muito pouco sustentadas” do PS e do líder do PS à coligação PSD/CDS-PP Nuno Ferreira Santos

É “nervosismo” aquilo que Marco António Costa vê nas críticas da oposição ao anúncio da coligação PSD/CDS para as legislativas. Uma aliança que tinha “todas as razões e todos os fundamentos” para continuar, depois de os dois partidos terem “levado até ao final do mandato” a coligação no Governo, defendeu esta segunda-feira o vice-presidente dos sociais-democratas quando questionado pelos jornalistas no final de um encontro com o candidato presidencial Henrique Neto.

O dirigente do PSD considera que a renovação da coligação é “um acto natural” e mostra-se condescendente com os críticos, usando o mesmo termo para designar a atitude da oposição. “As críticas que foram feitas por parte da oposição revelam o nervosismo que julgo que é natural da parte da oposição relativamente a esta proposta de acordo que os líderes [do PSD e do CDS-PP] anunciaram", afirmou o também vice-presidente coordenador da Comissão Política Nacional.

"Foi com alguma estranheza que ouvimos críticas muito pouco sustentadas da parte do PS e do seu líder à nossa coligação", disse Marco António Costa, que defendeu que a aliança da direita foi apresentada na altura que “ambos os partidos consideraram que era o momento adequado". E reforçou: "Não nasce de um acto espontâneo, nasce do trabalho de quatro anos."

Confiante está Assunção Cristas, a vice-presidente centrista e responsável pelo programa eleitoral do CDS-PP, que no Funchal defendeu que a coligação tem “todas as condições” para vencer as legislativas deste ano. A também ministra da Agricultura e do Mar, que se encontra na Madeira para apresentar o Documento Estratégico para o Mar daquela região autónoma, afirmou que a coligação se alicerça numa "base sólida de propostas viáveis", que visam o "desagravamento progressivo dos impostos", nomeadamente do IRS e do IRC, por ser este o momento de poder "devolver aquilo que, em momento muito difícil e por culpa do PS", se retirou às pessoas.

A centrista foi, porém, mais longe ao defender que a coligação deve também integrar “independentes”, o que lhe permitirá ter “todas as condições para vir a vencer as legislativas”. “É nosso dever para com as gerações futuras que seja este Governo, que é credível, a poder sustentar uma base eleitoral alargada aos independentes para que possamos ter uma governação ambiciosa, mas também muito credível e muito sólida", realçou, citada pela Lusa.

Depois das críticas cerradas de domingo, António Costa tentou esta segunda-feira fugir a perguntas sobre o assunto. No final de declarações aos jornalistas sobre o encontro com o economista francês Thomas Piketty, o líder do PS foi questionado sobre a escolha das datas para o primeiro anúncio da coligação PSD/CDS-PP – o 25 de Abril – e para a sua aprovação pelos respectivos conselhos nacionais – quarta-feira, o mesmo dia da apresentação da candidatura de Sampaio da Nóvoa. Costa optou pela ironia: “Uma coligação cuja única coisa que tem para dar é a data é uma coligação que não tem mesmo nada para dar…”

Já Sampaio da Nóvoa preferiu distanciar-se do assunto. "Vou tentar fazer uma campanha pela positiva. Vou propor ideias às pessoas. Não vou entrar nos pequenos casos, pequenos episódios. É um assunto que não merece comentário”, respondeu aos jornalistas o ex-reitor da Universidade de Lisboa aos jornalistas após encontro com o economista francês Thomas Piketty, num hotel lisboeta.

“O que terei a dizer é dirigir-me aos portugueses com um conjunto de ideias e propostas sobre o que penso que deve ser o Presidente da República e porque me candidato. São assuntos de outro foro, do domínio dos partidos, da luta partidária. Não vou interferir nesse tipo de assuntos", acrescentou, citado pela Lusa.

Henrique Neto, candidato à Presidência da República, considera que era “expectável” esta coligação e realça o esforço dos partidos para uma convergência. “É bom que os partidos se entendam, e que todos os outros apresentem com clareza as suas perspectivas e o projecto que pretendem para o país”, disse o empresário ao PÚBLICO.

Mas espera mais: “É também o tempo de os portugueses saberem o que vai acontecer se não houver uma maioria. Os partidos devem dar um sinal de qual a sua disponibilidade para esse acordo.” Até porque, acrescenta, os portugueses “não querem esta batalha política permanente. Esse foi um dos elementos causadores da situação a que o país chegou.” Como exemplo dá o caso da falada descida da TSU. “Falar sobre uma coisa e não a explicar devia ser uma atitude a abolir da política portuguesa. Porque depois passa-se a vida a discutir sobre algo que não se sabe. Causa uma enorme entropia no debate político e nos eleitores e é inútil.”

Sugerir correcção