Cerca de 200 pessoas resgatadas no Evereste

Três helicópteros apoiaram salvamento dos alpinistas presos na montanha mais alta do mundo, depois de avalanche que ali matou 18 pessoas no sábado.

Foto
Helicópteros chegaram esta manhã ao Evereste Roberto Schmidt / Reuters

No domingo, o primeiro grupo de sobreviventes da avalanche já tinha chegado a Katmandu. Khile Sherpa era um deles e descreveu à Reuters o desastre. “Era um som monstruoso, como se demónios estivessem a descer a montanha”, recordava o jovem de 20 anos enquanto aguardava tratamento num hospital da capital nepalesa.

O abalo causado pelo sismo de magnitude 7,8 na escala de Richter no Nepal originou uma avalanche que surpreendeu os alpinistas que se encontravam no Evereste – o local a 5270 metros de altitude de passagem obrigatória para quem tenta alcançar o cume. À hora do terremoto, havia cerca de 800 pessoas em diversos pontos da montanha, segundo a AFP.

As avalanches continuaram durante o fim-de-semana, sempre na sequência de réplicas do sismo inicial, mas o balanço de 18 mortos manteve-se. Nos campos 1, a 6400 metros de altitude, e 2, a 6750 metros, ficaram presas cerca de 210 pessoas, segundo dados do Ministério do Turismo nepalês.

A ajuda chegou na manhã de segunda-feira. Aproveitando o céu limpo, três helicópteros foram enviados para a montanha para resgatar os alpinistas isolados. “Por volta das 11h da manhã uma janela climática abriu e começámos a receber vítimas (…) recebemos 65 feridos do campo-base, a maioria com traumatismos, incluindo costas partidas”, contou ao Guardian Ben Ayers, director de um grupo de apoio a zonas rurais. “Vimo-los e conseguimos enviar todos os pacientes que não conseguiam andar para Katmandu”, acrescentou.

A maioria dos alpinistas presos nos Campos 1 e 2 foi resgatada, mas muitos permanecem em altitudes superiores, segundo a BBC. Há ainda cerca de 300 montanhistas na região de Langtang, na fronteira com o Tibete, que estão “a salvo, mas não têm comida suficiente”, disse o director-geral do Turismo, Tulsi Gautam.

Com o início da Primavera, começa também a principal época da escalada nos Himalaias. Até ao fim de Junho, as principais rotas para subir os 8850 metros do Evereste têm autênticos engarrafamentos, com dezenas de expedições diárias. Calcula-se que tenham chegado ao cume 658 pessoas só em 2013, a maioria durante esta temporada.

Entre as pessoas isoladas nos Himalaias estão quatro portugueses que já revelaram à agência Lusa estar bem. Luís Almeida, um dos participantes da expedição, disse já ser o quarto ano consecutivo em que fazia montanhismo na região e revelou que o grupo montou uma base a 4400 metros.

Ao impacto humano que a tragédia teve no Nepal podem juntar-se agora repercussões negativas em termos económicos. É expectável que a afluência dos chamados “turistas de aventura” diminua consideravelmente até ao fim da temporada. A China já anunciou o cancelamento de todas as expedições programadas para os próximos meses para o lado Norte do Evereste, revelou a agência Nova China. Num dos países mais pobres do mundo, o turismo é uma das actividades mais importantes, representando cerca de 4% do PIB.