Confrontos entre polícia angolana e seita matam pelo menos 22 pessoas

Mal esclarecido caso motivou trocas de acusações entre o partido governamental MPLA e a oposição. Informações não confirmadas falam em centenas de mortos

Foto
José Julino Kalupeteka, líder da seita "A luz do Mundo", foi preso DR

Confrontos entre membros de uma seita evangélica que anuncia o fim do mundo ainda para este ano e a polícia angolana provocaram a morte, na província do Huambo, de pelo menos 22 pessoas– 13 seguidores do grupo e nove agentes. Informações não confirmadas falam em centenas de mortos.

O mal esclarecido caso ocorreu no final da semana passada na província do Huambo e terá tido desenvolvimentos nos dias seguintes. Já motivou trocas de acusações entre o partido governamental MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e a oposição.

Na versão da polícia reproduzida pela imprensa angolana, os confrontos ocorreram na quinta-feira 16 de Abril, dia em que a polícia se deslocou a São Pedro Sumé, onde vivem largas centenas, ou milhares, de membros d’ “A luz do mundo”, um grupo milenarista de inspiração cristã, dissidente da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

A intenção da polícia seria deter o chefe do grupo, identificado como José Julino Kalupeteka, 52 anos. Mas os agentes ter-se-ão deparado com resistência e ocorreram confrontos que se terão  prolongado por três horas. Kalupeteka acabou por ser detido.

"Os 13 mortos são franco-atiradores, pertencentes à guarda do Kalupeteka, que tinham por objectivo neutralizar e desestabilizar a operação", afirmou o segundo comandante-geral da Polícia Nacional, Paulo Gaspar de Almeida, citado pela agência de notícias Angop. O procurador-geral da República, João Maira de Sousa, disse, esta quinta-feira, que os polícias mortos estavam munidos de um mandado de captura e foram “cobardemente” atacados à entrada do acampamento d’ “A luz do mundo”.

O governo provincial do Huambo acusou a UNITA de apoiar a seita para criar instabilidade no país e disse que no acampamento foi encontrada propaganda daquela força da oposição. A acusação foi liminarmente rejeitada pelo partido visado, que aponta “graves contradições nos discursos oficiais” sobre o caso e reclama um inquérito parlamentar.

A UNITA denuncia, ao contrário, uma alegada proximidade entre o líder da seita e o governador local, Kundy Paihama, e acusa o MPLA de ter usado o líder da seita para fazer campanha, nas eleições de 2012. Outro partido, a Casa-CE, rejeitou acusações de envolvimento da oposição em actividades d’ “A luz do mundo” e acusou o Governo de ter tido localmente uma relação próxima e contado com a colaboração do grupo de Kalupeteka.

A partir de informações que diz ter obtido junto da população local, a UNITA aponta para a morte de mais de 700 pessoas, o que tem sido negado pelas autoridades. Em entrevista à rádio Voz da América, um activista dos direitos humanos, Ângelo Kapuacha, disse que a zona onde ocorreram os confrontos foi isolada pela polícia e por militares. Mas declarou que há informações de que nos dois dias que se seguiram ao primeiro confronto foram mortas centenas de pessoas e que as perseguições continuaram depois disso.

No início da semana, o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, referiu-se à seita, proibida em 2014, como uma ameaça à paz e à unidade nacional.

Segundo a Angop, “A luz do mundo”, também conhecida apenas por Kalupeteka, foi criada há mais de uma década e tem cerca de 3700 fiéis nas províncias de Huíla, Bié, Huambo, Benguela e Cuanza Sul. Os seus líderes dizem que o mundo acaba a 31 de Dezembro de 2015 e recomendam aos seguidores que vendam os bens e vão viver para as montanhas e florestas.

Em Angola, onde a maioria dos habitantes se declaram católicos, há 83 igrejas, todas cristãs, reconhecidas pelo Estado. Mas, segundo a Angop, o Instituto de Assuntos Religiosos calcula em 1200 o número de grupos religiosos não legalizados.