O novo Bolhão e o velho Bolhão encontraram-se no projecto de reabilitação

Câmara avança para a reabilitação do edifício, sem esperar a abertura das candidaturas a fundos comunitários.

O Mercado do Bolhão de hoje não irá estranhar o novo Mercado do Bolhão, projectado pelos técnicos da Câmara do Porto e por uma equipa externa, coordenada pelo arquitecto Nuno Valentim. O edifício reabilitado terá mercado de frescos no piso térreo, restaurantes e uma área com estruturas polivalentes no piso superior. Vai ter acesso directo à estação de metro, elevadores e uma cave técnica com acesso pela Rua de Alexandre Braga. Mas vai manter os vendedores que lá queiram ficar. E haverá até uma nova versão das cortinas que ajudam a afastar o sol dos produtos para venda, no piso superior.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, não anunciou ainda quando e para onde irão os vendedores do Bolhão durante o período de obras, que se poderá estender entre 18 e 24 meses. A assessoria de imprensa da autarquia não quis sequer confirmar o segundo local proposto aos comerciantes, para além da Casa Forte - o Silo-Auto. Mas é essa a hipótese em cima da mesa, conforme confirmaram ao PÚBLICO outras fontes ligadas ao processo. Na manhã desta quarta-feira, o presidente da câmara quis, acima de tudo, garantir que o caminho que agora se inicia, e que pressupõe um investimento total de 20 milhões de euros, é “um processo sem retorno”, uma mensagem dirigida aos vendedores que já assistiram a outras promessas de obras e a outros projectos.

Moreira lembrou que não foi ao Bolhão durante a campanha eleitoral fazer promessas que não saberia se poderia cumprir, e também não quis, agora, comprometer-se com alguns aspectos que estão na cabeça de todos – quando começa a obra?, quanto tempo até o novo espaço ser inaugurado? O autarca garantiu apenas que o concurso público para a execução do projecto “será lançado depois deste Verão e que a obra será feita no menor prazo possível para ficar bem feita”.

A maquete instalada no piso superior do mercado, as imagens divulgadas e os esclarecimentos prestados ajudam a criar a imagem do que será o futuro mercado. Sem cobertura superior nem estacionamento, o Bolhão vai ter, contudo, uma cobertura do piso térreo, onde ficará instalado o mercado de frescos, os talhos e as peixarias. Será uma cobertura em vidro, com características térmicas, que permitirá controlar a temperatura e a ventilação para quem ali se dirige. Apesar da alteração de materiais (as bancas de betão vão passar a ser em vidro e metal), as novas bancas de venda serão "uma reinterpretação" das que hoje existem, esclareceu o arquitecto Nuno Valentim, e essa não será a única memória visual a ser preservada. "Seremos absolutamente cuidados com um edifício que é singular", disse o arquitecto, realçando que o projecto apresentado esta quarta-feira assentou em três vertentes: "edifício, mercado e pessoas".

As lojas do exterior não terão reclames luminosos, mas toldos, à semelhança do que acontecia nos primeiros anos do edifício. As cortinas que as vendedoras de fruta e legumes correm, no piso superior, para proteger os seus produtos do sol, vão continuar também por ali, apesar de estar previsto que venham a proteger as pessoas que se instalem nas esplanadas dos restaurantes que devem nascer na ala Sul deste piso. Na ala Norte, de acordo com Nuno Valentim, ficarão "estruturas polivalentes que tanto podem receber mercados sazonais como actividades e outra natureza".

O presidente da Associação de Comerciantes do Bolhão, Alcino Sousa, não ostentava o mesmo sorriso largo que rasgava o rosto do vereador do Urbanismo, Correia Fernandes, ou de Rui Moreira. Alcino, um dos "resistentes" do mercado, como fizeram questão de chamar aos vendedores os dois governantes, disse estar “cansado”, depois de tantos anos de espera, mas admitiu estar também esperançoso. “Acredito neste presidente. Sabemos que o tempo foi bastante para aquilo que passamos, para aquilo que sofremos. Espero que as coisas agora decorram da forma mais rápida possível”, disse.

O comerciante, que possui um talho no mercado, diz que aguarda ainda pela decisão da câmara sobre se o mercado provisório para os vendedores ficará na Casa Forte ou no Silo-Auto, mas  não esconde a sua preferência. “Quanto mais perto melhor. Prefiro a Casa Forte, mas o problema é o tempo para ter aquilo pronto para nos receber. Vamos ver, espero que seja o que for melhor para nós”. As obras na Casa Forte, para receber os comerciantes, poderiam estender-se por um ano, e este factor está a prejudicar a opção por este espaço, já que Rui Moreira não quer que o arranque das obras seja atrasado por o mercado provisório não estar pronto.

No final da apresentação, Rui Moreira garantiu aos jornalistas que os cerca de 90 comerciantes que ainda estão no interior do Bolhão poderão regressar ao novo mercado, com “condições especiais” e necessariamente diferentes das dos que chegarem de novo. O autarca confirmou também que a câmara tem condições económicas para avançar com a obra, mas que irá candidatá-la a fundos comunitários, e acrescentou que o mercado poderá “vir a ter um ou mais mecenas”. Moreira garantiu que, por enquanto, não há contactos com qualquer potencial investidor, mas questionado sobre se aceitaria o apoio de um empresário que quisesse instalar ali um supermercado, respondeu que um equipamento desse género “não cabe” ali.

O autarca acrescentou ainda que o projecto de reabilitação da Direcção Regional de Cultura do Norte, feito a pedido do anterior executivo, não foi aproveitado, apesar de ser “excelente”, porque “não se enquadrava no programa” que previu para ali. Em comunicado, a CDU veio, entretanto, saudar a opção de manter o Bolhão como um mercado público e de frescos, anunciando, contudo, que vai pedir a criação de uma comissão de acompanhamento do processo, no âmbito da Assembleia Municipal, por considerar que existem "elementos relevantes que persistem ainda por determinar", como as condições exactas em que os comerciantes poderão regressar ao edifício requalificado.

No final da apresentação, um grupo especial mantinha-se junto a uma das estruturas metálicas que sustentam a ala Sul do mercado: Correia Fernandes, José Maria Silva, o deputado do Bloco de Esquerda José de Castro e o presidente da Beneficiência Familiar, António Reis. Eles eram parte do núcleo da Plataforma de Intervenção Cívica que, há quase uma década, mobilizou a cidade contra o projecto de concessão defendido pelo executivo de Rui Rio. António Reis teve mesmo uma menção especial no discurso do vereador do Urbanismo, como "símbolo da parte altruísta e combatente da sociedade". Questionado sobre o novo projecto lhe agradava, António Reis foi incisivo: "Era isto que a gente queria. Lutámos por isto. Temos agora a recompensa de tudo quanto fizemos."