Irão vai nomear primeira embaixadora desde 1979

A actual porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros deverá ser destacada para um país do Leste asiático.

Direitos das mulheres são muito limitados no Irão
Fotogaleria
Direitos das mulheres são muito limitados no Irão Damir Sagolj / Reuters
Fotogaleria
Marzieh Afkham é a actual porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros DR

O Irão vai ter a sua primeira embaixadora desde a Revolução Islâmica de 1979. A medida é considerada mais um passo no processo de abertura liderado pelo actual Presidente.

A escolhida será a actual porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Marzieh Afkham, mas não foi revelado qual será a embaixada atribuída, tendo sido apenas adiantado que será uma missão no Leste asiático, segundo as agências Fars e Mehr, citadas pela Reuters.

A última embaixadora iraniana foi Mehrangiz Dolatshahi, nomeada para a Dinamarca em 1976 onde esteve até à revolução dos ayatollahs.

A notícia da escolha de Afkham, considerada uma veterana da diplomacia iraniana, foi bem recebida pelo director da Campanha Internacional para os Direitos Humanos no Irão, Gissou Nia, que a considerou “um passo positivo”. “Não tivemos uma embaixadora mulher desde os anos 1970 mas isso não apaga as preocupações actuais sobre a legislação pendente no Parlamento iraniano que pretende restringir o papel das mulheres na esfera pública”, disse Nia ao jornal britânico Guardian.

A nomeação de Afkham em 2013 para porta-voz do ministério foi encarada já na altura como uma medida progressiva. “É uma decisão extremamente corajosa pelo ministro dos Negócios Estrangeiros [Mohammad Javad] Zarif a de nomear uma mulher para um cargo tão graduado e visível politicamente”, dizia à CNN o catedrático iraniano Farideh Farhi.

O regime iraniano é habitualmente criticado pelas organizações de defesa dos direitos humanos pela promoção de políticas de opressão sobre as mulheres. As iranianas não podem, por exemplo, viajar para o estrangeiro sem uma autorização de um homem que se responsabilize por si, tal como o pai ou o marido.

As forças de segurança também costumam impedir de forma violenta que as mulheres andem em público sem o hijab – o véu islâmico. Em tribunal, o testemunho de uma mulher vale metade do de um homem.

O Presidente, Hasan Rohani, prometeu durante a campanha eleitoral de 2013 melhorar o tratamento das mulheres no país e há sinais que revelam alguma abertura da parte de Teerão. O Governo pretende aprovar uma reforma à lei que impede as mulheres de assistirem a eventos desportivos praticados por homens, abrindo a possibilidade de tomarem parte em alguns.

O anterior Presidente, Mahmoud Ahmadinejad, já tinha nomeado uma mulher como ministra. Marzieh Vahid Dastjerdi entrou para o Governo em 2009, para se ocupar da pasta da Saúde e Educação Médica, mas acabou por se incompatibilizar com o próprio Ahmadinejad por causa das limitações de financiamento para importar medicamentos.

No Irão, cerca de 60% dos estudantes universitários são mulheres, embora apenas 10% esteja empregada actualmente, segundo as estatísticas oficiais.