Guterres já disse três vezes que não a Costa

O alto-comissário para os Refugiados ficou de tornar público o seu não à corrida presidencial após a prorrogação do seu mandato pela assembleia geral da ONU.

Foto
António Guterres exerce actualmente o cargo de alto-comissário para os Refugiados REUTERS/Denis Balibouse

António Guterres já disse por três vezes a António Costa que não é candidato a Presidente da República. De acordo com as informações recolhidas pelo PÚBLICO, face ao não de Guterres, o secretário-geral do PS optou por guardar silêncio sobre este facto e apenas tem repetido que no momento certo se pronunciará sobre quem o PS apoia nas presidenciais, esperando por agora que os candidatos se apresentem.

O problema é que, perante o silêncio de Costa, os socialistas multiplicam-se nos apoios ou nas rejeições de putativos candidatos. Entre os nomes que têm continuado a receber apoios de dentro do PS, além de Guterres, há mais dois socialistas que o PÚBLICO sabe que também já disseram que não a Costa: Jaime Gama e António Vitorino.

É por isso, apurou o PÚBLICO, que o líder do PS tem repetido a ideia de que é cedo para falar do assunto e que é preciso aguardar que os nomes sejam todos conhecidos. Costa tem assim tentado sossegar o partido para que o PS não passe para a opinião pública uma imagem de divisão. Assim como tem frisado que a prioridade é vencer as legislativas e que é preciso esperar para que surja um nome que possa ganhar uma dinâmica de vitória e prestigiar a Presidência da República como o fizeram Mário Soares, Jorge Sampaio e Ramalho Eanes.

Cronologia dos nãos
Guterres comprometeu-se com Costa que assumiria publicamente a sua indisponibilidade para se candidatar a Presidente assim que a continuação do seu mandato na Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) fosse prorrogado pela assembleia geral da ONU.

Já há muitos meses que Costa falou com Guterres sobre as presidenciais e ouviu o primeiro não do alto-comissário para os Refugiados da ONU. Os dois almoçaram depois da vitória de Costa nas primárias e antes do congresso, quando chegou à reunião magna do partido em finais de Novembro, Costa já sabia que Guterres não queria candidatar-se.

Quando Guterres fez declarações ao semanário Expresso que criaram ambiguidade, pois não fechava a porta à candidatura, Costa telefonou ao alto-comissário para esclarecer novamente a situação deste face a uma eventual candidatura. E mais uma vez ouviu um não. E, já esta semana, pela terceira vez, Costa ouviu um não como resposta ao questionar de novo Guterres por interposta pessoa.

Por sua vez, Jaime Gama tem sido peremptório no não. A primeira vez que o assunto foi abordado entre ambos foi antes do congresso do PS num almoço. À mesa e perante o cardápio presidenciais, Gama foi definitivo a reafirmar que a sua carreira política acabou quando deixou de ser presidente da Assembleia da República. Aliás, nesse almoço, Gama recusou mesmo integrar a comissão de honra do congresso.

Há algumas semanas, num almoço com várias pessoas, entre as quais dirigentes socialistas, Gama voltou a dizer que estava reformado da política. Esta semana, e perante a quantidade de apoios a Gama que foram manifestados, Costa voltou a questioná-lo, agora por interposta pessoa, e a resposta foi mais uma vez não.

No caso de António Vitorino, foi precisa apenas uma conversa para que ficasse claro que o ex-ministro não aceitava ser candidato a Belém. Uma posição que Vitorino já fez questão de tornar pública. Nessa conversa, Vitorino disponibilizou-se, porém, para colaborar activamente com a direcção do PS, o que tem feito.

Polifonia de apoios
Na ignorância sobre os bastidores das conversas de Costa com Guterres, Gama e Vitorino, os socialistas têm-se multiplicado numa profusão polifónica de apoios. O eurodeputado Francisco Assis deitou nesta quinta-feira mais uma acha para a fogueira. Na mesma semana em que o ex-reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa, manifestou disponibilidade para avançar, Assis escreveu no PÚBLICO que não vislumbra nome mais adequado para o desempenho da função presidencial do que o de Jaime Gama. E não poupou nos elogios.

“É um homem que se situa claramente no campo da esquerda democrática e liberal, possui um vastíssimo currículo cívico e político, iniciado no combate à ditadura, dispõe de um prestígio enorme na sociedade, concita a apreciação e o respeito de amplos sectores da esquerda e da direita”, escreveu o eurodeputado no PÚBLICO, sublinhando que Gama “foi sem dúvida o mais marcante ministro dos Negócios Estrangeiros da nossa democracia”.

Numa tentativa de controlar danos, o líder do grupo parlamentar do PS, Ferro Rodrigues, veio dizer que o PS só deverá ter uma posição institucional de apoio a um candidato presidencial após as legislativas. E avisou que este debate, agora, pode prejudicar o partido. Confrontado pelos jornalistas no final da reunião da bancada parlamentar sobre a posição defendida pelo eurodeputado, Ferro declarou que “o direito à palavra é sagrado no PS”. Mas também disse que “o PS, enquanto tal, só deve apoiar uma candidatura presidencial depois das legislativas”.

O líder da bancada deixou claro que, “neste momento, o fundamental é mudar este Governo, que está a desgraçar o país, e apresentar uma alternativa forte e consistente nas eleições legislativas. Tudo o que seja dispersar a atenção será um erro político crasso”.

Também o deputado José Lello defendeu nesta quinta-feira, em declarações ao PÚBLICO, o nome de Gama para Presidente da República, enaltecendo o seu “perfil institucional”. “Jaime Gama foi ministro dos Negócios Estrangeiros, tem uma larga experiência diplomática e dava um excelente Presidente da República”, afirmou, evidenciando que, se o ex-presidente da Assembleia da República “mostrar vontade em ser candidato, o PS deve apoiá-lo”. Para já, entende que Gama deve manter-se distante deste debate, porque não pode surgir como “uma segunda escolha”. E, num remoque àqueles socialistas que já se mostraram entusiasmados com Sampaio da Nóvoa, disse que “Jaime Gama não quer aparecer no bolso do colete de uma qualquer facção do PS”.

No pingue-pongue de nomes presidenciáveis, nesta quinta-feira saltou outro para a ribalta. Paulo Morais, ex-vice-presidente de Rui Rio na Câmara do Porto, anunciou que é candidato a Belém e que na tarde do dia 18 de Abril irá apresentar a sua candidatura. Nessa altura, apresentará as linhas programáticas e, nesse mesmo dia, como referiu, começará a recolher as assinaturas necessárias para se poder apresentar como candidato.

Ao PÚBLICO, Paulo Morais reconhece que tem pela frente “uma tarefa ciclópica”, mas avisa que não vai desistir da sua vontade, porque a mensagem que quer passar é de combate à corrupção, um fenómeno que — lembra — “minou a política nacional nos últimos 20 anos”. “Só combatendo a corrupção é que se pode ajudar a regenerar o regime”, acredita o ex-vice-presidente da Câmara do Porto.