Suzanne Plunkett | Reuters
Foto
Suzanne Plunkett | Reuters

Cantinas de Coimbra registam oito toneladas de desperdício alimentar por mês

Nova campanha da Universidade de Coimbra quer reduzir os resíduos alimentares. Incentivar as pessoas a pedirem apenas o que realmente vão consumir é uma das medidas

Os Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra (SASUC) prevêem que haja um desperdício de oito toneladas de resíduos alimentares por mês nas cantinas e querem sensibilizar estudantes e colaboradores para reduzir o actual valor.

Para combater o desperdício registado, os SASUC vão lançar uma campanha à comunidade académica para reduzir desperdícios, bem como implementar medidas na própria preparação das refeições, disse à agência Lusa a administradora dos serviços, Regina Bento.

A redução do desperdício alimentar "depende muito da adesão da comunidade académica" à campanha, referiu, sublinhando que alunos, docentes e funcionários estão "sensibilizados" para este tipo de questões. Quando uma pessoa é servida nas cantinas deve "pedir ao empregado para dosear", levando só no prato "aquilo que realmente vai consumir", explanou.

Segundo Regina Bento, a mudança de comportamentos numa divisão de alimentação que serve "um milhão de refeições por ano" é fundamental para um impacto na redução do desperdício, apesar de outras medidas previstas. A confecção de batatas com casca e o aproveitamento da casca da maça na salada de fruta e dos talos de couve e alface na confecção de sopa são alguns dos exemplos de práticas que vão ser implementadas na preparação de refeições nas cantinas, salientou a administradora dos SASUC.

Também na divisão de alimentação dos SASUC há o "desafio" de todos os meses ser apresentado "um novo produto que decorra de aproveitamentos de comidas", o que já levou, a título de exemplo, à introdução de uma nova sobremesa — pudim molotov — que surgiu como forma de "aproveitar as claras que, de outra forma, iam para o lixo", frisou.

A campanha agora lançada está inserida num plano da Secretaria de Estado da Alimentação e da Investigação Agrolimentar para a redução do desperdício alimentar que, em Portugal, segundo um comunicado dos SASUC, representa um milhão de toneladas por ano — 17% da produção anual de alimentos.