FMI pede mais investimento público para reanimar investimento privado

Fraqueza da procura no curto prazo é vista como a principal razão para as empresas não estarem a investir.

Christine Lagarde, directora executiva do FMI, acha que há uma solução para a Grécia
Foto
Instituição liderada por Christine Lagarde voltou a pedir mais investimento em infra-estruturas Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

A forte queda do investimento na economias avançadas desde o início da crise financeira é fundamentalmente o resultado de uma actividade económica muito fraca, concluiu o Fundo Monetário Internacional, que diz que mais investimento público em infra-estruturas é necessário para convencer os investidores privados a voltarem a assumir riscos.

No relatório de Primavera do qual publicou esta terça-feira dois capítulos, o Fundo analisa as causas da quebra do investimento que se registou na generalidade das economias mundiais nos últimos anos. Desde o início da crise financeira internacional que este indicador registou valores muito mais baixos do que aqueles que eram previstos.

Portugal, calcula o FMI, registou entre 2007 e 2014 um investimento cerca de 30% mais baixo do que o valor que era projectado pelo próprio Fundo em 2007. E é um dos países em que a quebra foi mais acentuada, sendo superado contudo por outros países periféricos da zona euro como a Grécia, Irlanda e Espanha. De acordo com os dados e as previsões da Comissão Europeia, o investimento em Portugal caiu 30,3% entre 2010 e 2013, recuperando apenas 8,6% entre 2013 e 2016.

A preocupação do FMI é a de perceber se o investimento nos países avançados caiu por causa do estado em que se encontrava a própria economia ou se foi devido a outros factores, como as restrições no acesso a financiamento ou a incerteza. Perceber o porquê da queda pode ajudar a definir as políticas adequadas para garantir que se regista agora uma recuperação.

Contrariando uma visão que foi muitas vezes defendida pela Comissão Europeia e pelo BCE – que diz que as dificuldades de acesso ao crédito e a incerteza política são obstáculos decisivos à recuperação do investimento -, o FMI diz que “a fraqueza generalizada na actividade económica desde o início da crise parece ser o principal entrave ao investimento privado nas economias avançadas”. Conclui isso, ao verificar que “os precedentes históricos mostram que o investimento privado desviou-se pouco ou nada daquilo que poderia ser esperado dada a fragilidade da actividade económica nos anos recentes”.

O Fundo calcula que outros motivos, como as restrições financeiras e a incerteza, podem ter explicado “no máximo um quinto da total perda de investimento”, sendo isto particularmente verdade para os países que, como Portugal, atingiram em 2010 e 2011 taxas de juro da dívida soberana muito elevadas.

Sendo a fraqueza da economia e as baixas vendas das empresas a grande causa da queda do investimento privado, o FMI conclui que aquilo que há a fazer agora é adoptar políticas que ponham a economia a crescer.

Para além de uma política monetária expansionista, onde “se evite que as taxas de juro subam prematuramente”, o FMI afirma que “existe um argumento forte para a subida do investimento público em infra-estruturas”. Esse investimento, diz o relatório, deve ser feito por economias “onde haja défices de infra-estruturas claramente identificados e processos eficientes de escolha de investimento público”.

“Mais investimento público em infra-estruturas pode ser necessário para aumentar a procura no curto prazo, aumentar o crescimento potencial no médio prazo, e assim trazer de volta o investimento privado”, afirma o FMI, numa ideia que já tinha sido defendida no seu relatório de Outono, publicado em Outubro de 2014.

Para além do investimento público, o FMI pede reformas estruturais, por exemplo no mercado de trabalho, e uma limpeza dos balanços dos bancos para que o crédito flua mais facilmente para a economia.