O romance torcido dos Tape Junk

A vida contorcida de João Correia, que tanto é baterista de Jorge Palma, Frankie Chavez, Walter Benjamim, e de vários outros, como é guitarrista e vocalista num projeto com Bruno Pernadas, mas afinal com nome de mulher, Julie & The Carjackers, ou baixista a afirmar uma direção de rota com outros companheiros nos They’re Heading West, acaba ainda por liderar outros compinchas na sua jornada mais pessoal, particular e peculiar. Os Tape Junk anunciam para abril o 2º álbum, homónimo, com este “Six Strings & The Booze” que, em tom compassado, percorre os trilhos do folk/rock americano do anterior álbum (The Good and The Mean, 2013), e por onde se traçam contornos aos caminhos ínvios dos romances desta vida. Matéria com alto valor humorístico, e adequado à atual ficção “clipeira” que poucos por cá exploram (apesar de casos já aqui referidos), mas que o realizador Pedro Pinto aproveitou para torcer ainda mais o rabo à situação já de si bastante contorcida (refere-se a anatomia animal com propriedade como poderão ver). Depois de já ter ficcionado noutras paisagens, e brincar agora com o estilo documental, este videoclipe mostra de facto uma certa “Pint” com poder de se projetar a nível internacional. Torcemos por isso!

 

Texto escrito segundo o novo Acordo Ortográfico, a pedido do autor.

Sugerir correcção