Selfie sticks são potencialmente perigosos, diz organização de um dos festivais Damir Sagolj/ Reuters
Foto
Selfie sticks são potencialmente perigosos, diz organização de um dos festivais Damir Sagolj/ Reuters

Festivais de música também proíbem "selfie sticks"

Depois de vários museus dos EUA e da Europa terem proibido a utilização dos extensores usados para fazer fotografias, dois festivais internacionais de música juntam-se à medida

A época de festivais está prestes a arrancar e, nos Estados Unidos da América, há dois festivais que estão a antecipar preocupações. O Coachella, na Califórnia, e o Lollapalooza, em Chicago, anunciaram que os "selfie sticks", populares dispositivos que permitem tirar fotografias à distância, com "smartphones" ou câmaras fotográficas, estão proibidos dentro dos festivais.

Além de serem "irritantes", os "selfie sticks" são "potencialmente perigosos", justificou a organização do Coachella, que tem início marcado para o dia 10 de Abril. O festival de Chicago adicionou no FAQ do site uma lista de materiais proibidos, onde se incluem os "selfie sticks". 

A Time noticia que a proibição já existiu no Reino Unido no passado. Enquanto tirar fotografias é parte importante da experiência, qualquer dispositivo que limite a visibilidade dos visitantes não é bem-vinda, argumentavam. "Os selfie sticks podem significar uma proibição de entrada no local, por isso o nosso conselho é que não os tragam e usem apenas o braço para fazer fotografias", disse ao website musical NME o porta-voz da Wembley Arena, em Londres.

Os extensores foram já proibidos em alguns museus dos Estados Unidos da América e, mais tarde, da Europa. Em Portugal, a moda dos "selfie sticks" está a crescer, com algumas multi-nacionais a venderem o dispositivo e até a criação de uma marca nacional por uma jovem de 23 anos.