Rita Braga traz novas de São Paulo a Lisboa e ao Porto

A cantora levará o seu ukulele e as canções de novo EP, Gringo in São Paulo, à ZDB, quinta-feira, e ao Passos Manuel, sexta-feira.

Foto
Rita Braga ©ritadelille

Aterrou em São Paulo e não perdeu tempo. Ao segundo dia já tinha reunido uma banda, os deliciosamente baptizados Indiozinhos Psicodélicos. Ao quinto dava o primeiro concerto e não tardou a que outra banda nascesse, em paralelo aos índios rockeiros, esta próxima da música de cabaret carioca da década de 1920. E agora há um disco novo. Um EP que Rita Braga, cantora que nos habituámos a ver de ukulele nos braços e um mundo vasto na voz delicada, apresentará esta quinta-feira na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa (22h, 6€). Amanhã, sexta-feira, irá levá-lo ao Passos Manuel, no Porto (22h, 5€).

“Fui de máquina ‘teletransportadora’”, rir-se-á quando lhe perguntamos como foi parar ao Brasil, onde permaneceu cinco meses em 2013. Ela ri-se quando o diz, mas conhecendo-a e conhecendo a música que faz, não seria difícil fazer-nos acreditar que foi mesmo com recurso a maquinaria de ficção científica que Rita Braga chegou a terras brasileiras. A suspensão da descrença faz parte da magia da sua música. Continua a fazer.

Gringo In São Paulo. É esse o título do EP que sucede a Cherries That Went To The Police, álbum de estreia editado em 2011. Neste, Rita Braga dava a volta ao Ramblin’ man de Hank Williams, dançava sob o céu de um Havai mais sonhado que real, cantava velhas canções russas, a rebetika grega ou o cancioneiro tradicional açoriano. Cherries That Went To The Police era um álbum de versões. Era Rita Braga, tão próxima do universo da banda-desenhada, tão envolvida na capacidade de a música ser, instantaneamente, imagem e performance, a vestir a pele de cada uma das personagens que cantava. Fazia-o com graciosidade e convicção, de uma forma que, apesar da diversidade das línguas cantadas e dos ambientes evocados, nos conduzia sempre a ela: a voz e o ukulele denunciavam-na por trás da máscara.

Depois de Cherries That Went to The Police, como que a perdemos de vista. Ela, claro, não parou. Temos este EP como prova. Nele, cinco canções – todas originais, nenhuma versão. É mesmo Rita a gringa em São Paulo, cantando em inglês, com sotaque brincalhão (“a Carmen Miranda interessava-me e foi uma fonte como referência”), essa cidade sem fim de “eighteen million people / of eighteen million colors”, de gente a trabalhar “at the speed of light” e de carros, tantos carros, cujos faróis dão às ruas a luz que o céu sem estrelas não mostra.

Não se perdeu a imaginação com que vestia as personagens cantadas anteriormente. Pelo contrário. Se há uma queixa a fazer, é que acabada a Tralala que encerra o disco, não estamos saciados. Queríamos mais deste Brasil com sotaque de Carmen Miranda, marchinhas sambadas, “érres” dobrados como em transmissões radiofónicas de outros tempos e curtas erupções rock entre um piano de fantasia e o brilho sorridente do ukulele. “Eu queria fazer tudo no Brasil [o álbum foi gravado com os músicos das bandas que formou à chegada] e houve pouco tempo”, explica. Mas, revela, a edição em vinil dará acesso a uma sexta canção, uma versão de Dama do Cabaret, de Noel Rosa.

De qualquer modo, Rita Braga já deu um passo em frente. A cantora que correu Estados Unidos e pelo menos meia Europa, cuja música é diversa o suficiente para ter cativado Legendary Tigerman, com quem cantou em Femina, ou Felix Kubin, alemão que é figura de grande relevo da música electrónica, esteve recentemente numa residência na Suécia. Aí descobriu um trio de música e performance chamado MårDiCu (uma sueca, uma sérvia e uma bósnia). Tocou com elas em Malmö e tocará com elas em Portugal (o colectivo sueco fará a primeira parte do concerto e juntar-se-á depois em palco a Rita Braga). “Têm um lado poético e ritualístico, algo de bizarro e de grotesco. Serão um acompanhamento meio teatral”.

Acompanhada por elas e pelas projecções da norte-americana Martha Colbourn, Rita Braga cantará a sua vida brasileira e cantará as canções de tantas línguas que foi recolhendo ao longo dos anos, o que é tanto causa da sua abertura à viagem e à descoberta (“as fronteiras acabam por desaparecer um bocado") e uma forma de “fugir daquela coisa do ‘cantas em português ou em inglês?’, como se essa definição fosse importante”.

Na ZDB e no Passos Manuel, cantará, por exemplo, a cigana Ezma Redzepova, lenda da música balcânica que é o seu novo grande fascínio. Depois, continuará como sempre. “Não há fórmulas. Não tenho ninguém a impor-me nada”. Onde a encontraremos num próximo álbum? Está a pensá-lo e, neste momento, diz, vê-se conduzida a teclados vintage, a algo mais electrónico. “Mas ainda não sei”. Faz sentido que não saiba ainda.

Esta é a cantora que aterrou em São Paulo e que, dois dias depois, tinha uma banda, cinco dias depois estava a dar um concerto. A gringa paulista que canta em sérvio acompanhada por um trio sueco. Melhor será que continue a deixar a vida acontecer-lhe. Tem feito maravilhas pela música (só queríamos mesmo é que o novo EP fosse álbum inteiro).