Ferry internacional de Caminha retoma ligações à Galiza na Páscoa

O ferryboat, que começou a cruzar o rio Minho em 1995, parou em Abril

Foto

O 'ferry' internacional que liga aquela Caminha e La Guardia (Galiza) vai voltar a fazer a travessia do rio Minho na Páscoa, depois de 11 meses de paragem, disse o presidente da Câmara.

Em declarações à agência Lusa, o autarca socialista Miguel Alves adiantou que começou nesta terça-feira a operação de dragagem de mais de 19 mil metros cúbicos de areia do cais de atracção da embarcação, num investimento de 72 mil euros "integralmente" suportado pela Câmara de Caminha.

"A Páscoa, como sabemos, é um período de grande dinâmica turística. Do lado espanhol também é uma época em que as pessoas não trabalham e nós queríamos aproveitar muito esta época para o reinício desta ligação do ferry", sustentou, sublinhando "o grande esforço financeiro" que o município vai fazer.

O ferryboat, que começou a cruzar o rio Minho em 1995, parou em Abril para a renovação do certificado de navegabilidade e para a realização de obras no pontão flutuante e de extracção de areias junto ao cais.

Aquela dragagem começou em Junho passado, orçada em cerca de 16.875 euros, que não resolveu o assoreamento junto ao cais.

"Fizemos uma primeira intervenção que não resolvendo o problema, atenuou-o e preparou esta segunda fase. Agora, vamos fazer um investimento de 72 mil euros, que é feito pela Câmara de Caminha em exclusivo, que vai permitir que na época da Páscoa possamos recuperar a travessia do 'ferry'", explicou.

Miguel Alves voltou a reclamar "uma intervenção de fundo" para resolver o assoreamento do rio Minho mas, por se tratar de um curso internacional de água, disse ser "necessário o apoio dos Governos de Portugal e Espanha" para garantir a manutenção do canal de navegação da embarcação.

"Nós queremos resolver este problema e, para isso, precisamos do apoio dos governos. Esta intervenção resolve este problema mas naturalmente que a longo prazo precisamos que os governos intervenham na limpeza do rio Coura, do rio Minho de modo a termos esta situação resolvida", frisou.

Para o autarca, aquela intervenção "é imprescindível" para resolver "o assoreamento perigoso na foz do rio Coura" e que obrigou à limpeza do cais de atracção do ferryboat agora iniciada.

Caminha é único concelho do vale do Minho que depende do transporte fluvial para garantir a ligação regular à Galiza, enquanto os restantes quatro concelhos da região dispõem de pontes internacionais.