Crítica

Com as mãos na massa da pura dança

André Mesquita reconfirma aqui o seu lugar como um dos mais consistentes e desenvoltos coreógrafos portugueses actuais.

Fotogaleria
Mesquita soube extrair o melhor das características de cada intérprete, aqui Sylvia Rijmer Bruno Simão
Fotogaleria
Sylvia Rijmer Bruno Simão
Fotogaleria
Sylvia Rijmer Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha, César Fernandes Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha, César Fernandes Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha, César Fernandes Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha, César Fernandes, Sylvia Rijmer, Teresa Alves da Silva Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha, Sylvia Rijmer, Teresa Alves da Silva, César Fernandes Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha, César Fernandes Bruno Simão
Fotogaleria
Filipa Peraltinha Bruno Simão
Fotogaleria
César Fernandes Bruno Simão
Fotogaleria
Bruno Simão
Fotogaleria
Bruno Simão
Fotogaleria
Bruno Simão
Fotogaleria
Bruno Simão

Durante os ensaios de Nostos - em grego significa “retorno a casa”, e é também a raiz da palavra “nostalgia” - o coreógrafo André Mesquita, 35 anos, pediu aos cinco bailarinos que recordassem momentos marcantes do seu passado.

Do coreógrafo não se esperaria que da introspecção resultasse uma peça de pendor teatral: o que vimos, ao longo de 60 magnetizantes minutos, foi uma formidável coreografia abstracta, a deixar-nos literalmente suspensos no movimento seguinte, como se nos estivesse a ser contada uma empolgante história. Esta “eventual penumbra da ambiguidade” – o subtítulo da peça saiu de um texto sobre os labirintos da linguagem do filósofo e crítico literário George Steiner - demonstra-nos o quanto o território das alusões imprecisas pertence, por direito, às poéticas do corpo.  

Submersa numa meia-luz enevoada, o palco vazio é amiúde recortado por iluminação vertical, a desenhar pirâmides e cubos no espaço, ou rasgado por disparos de luz horizontal, a deixar apenas visível o tronco dos intérpretes, de fluídas camisetas transparentes do tom da pele e sóbrias calças escuras. Um reparo para o momento da expulsão de fumos, seguido de breves clarões, a requerer outra subtileza.

Mas, na zona esquerda do palco, está a peça-chave desta criação: ao piano, o vulto discreto de Simon James Phillips (n.1973 – em temporada como artista residente no Teatro Maria Matos) observa, com atenção cúmplice, os bailarinos, estabelecendo com eles um íntimo diálogo de improvisação estruturada: segue-os ou desafia-os, criando pausas, acordes avulso ou explorando o efeito cumulativo de motivos repetitivos, períodos de alvoroço ou de quietude. Esta assinalável organicidade de entrelaçar luz, sons e corpos em movimento, numa pulsação conjunta mas não linear, traz-nos uma consciência subliminar da passagem do tempo e representações da memória.

Mesquita soube extrair o melhor das características de cada intérprete: Teresa Alves da Silva, Filipa Peraltinha, Sylvia Rijmer, César Fernandes e Woody Santana, excepcionalmente focados e precisos, são donos de uma energia elástica, que ora dilata e os faz parecer gigantescos, ora recolhe numa contenção quase tântrica. Com solos, pares, trios ou em grupo, em acções dispersas ou em cânone, o movimento flui como a sucessão de largas marés; virtuosas frases coreográficas reformulam ou sabotam os seus próprios padrões; a limpeza técnica dos corpos é desfigurada por rastejos reptilíneos, revisitações ao tai-chi-chuan, respirações ofegantes, agachamentos de destreza felina e surpreendentes leituras do espaço. A cena final, quando as cinco silhuetas partem em diferentes direcções e se dissipam nos bastidores, é uma eloquente fábula visual sobre a transitoriedade dos cruzamentos humanos, dos ciclos da vida.

Obscuro, denso e inóspito, o universo estético do coreógrafo adquire, nesta co-criação com James Phillips, uma tonalidade serena, ou mesmo laivos de melancolia. Depois de um longo período em que as premissas da criação coreográfica foram questionadas até à exaustão, Mesquita reconfirma aqui o seu lugar como um dos mais consistentes e desenvoltos coreógrafos portugueses actuais: insiste meter as mãos na massa no âmago da pura dança, sustenta-a numa criteriosa escolha dos intérpretes, e coloca-a ao serviço de um notável saber-fazer em matéria de composição.