Carlos Alexandre falou sobre as suas finanças no Tribunal da Relação

Juiz que tem mantido José Sócrates na cadeia foi alvo de uma segunda denúncia anónima acusando-o de violação do segredo de justiça.

Foto
Carlos Alexandre Rui Gaudêncio

Para dissipar as suspeitas levantadas na carta anónima endereçada às autoridades, segundo a qual o magistrado estaria nas mãos do grupo Espírito Santo e da Cofina, empresa proprietária do Correio da Manhã, Carlos Alexandre falou longamente das suas finanças à procuradora do Ministério Público que o interrogou.

O magistrado responsável pela prisão preventiva do ex-primeiro-ministro José Sócrates, e que só deixou sair em liberdade Ricardo Salgado, do Banco Espírito Santo, depois de este pagar uma fiança de três milhões de euros, explicou como contraiu vários empréstimos junto de instituições bancárias, quer para pagar a vivenda que está a construir em Mação, terra onde nasceu, quer para adquirir o carro em que se desloca, um potente BMW.

A denúncia que está a ser investigada fala de contrapartidas que o juiz mais conhecido do país teria recebido e acusa-o de ter violado o segredo de justiça. A carta anónima faz ainda alusões a um deputado seu conterrâneo que integra o círculo de amigos de Carlos Alexandre, embora sem mencionar o seu nome. Trata-se do social-democrata Duarte Marques.

Foi no dia em que decretou as medidas de coacção do antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-dirigente do Sporting Paulo Pereira Cristóvão - que ficou em prisão preventiva por suspeitas de ter sido o autor moral dos crimes de roubo qualificado e de sequestro, estando ainda indiciado por associação criminosa - que o juiz foi ouvido pela procuradora-geral adjunta do Tribunal da Relação de Lisboa Emília Martins, à qual coube dirigir o inquérito sobre o caso.

A mesma magistrada já o havia interrogado em Janeiro por causa da primeira denúncia anónima, também relacionada com um almoço que teve com um jornalista da Visão. O caso acabou por ser arquivado, uma vez que o repórter a quem Carlos Alexandre alegadamente teria passado informação sobre o caso BES nunca escreveu sobre o tema no período temporal a que dizia respeito a denúncia.

Desta vez, o juiz falou durante cerca de três horas sobre a sua vida financeira no Tribunal da Relação e garantiu uma vez mais não ter violado o segredo de justiça. Em Janeiro havia dito que a carta anónima visava criar um ambiente de suspeição à sua volta, com o objectivo de o afastar do processo do banco ou mesmo do próprio Tribunal Central de Instrução Criminal.