Belmiro de Azevedo abandona cargos no grupo Sonae

Paulo Azevedo e Ângelo Paupério irão repartir a presidência executiva.

Foto
Belmiro de Azevedo Fernando Veludo/NFactos

Belmiro de Azevedo vai anunciar na próxima quarta-feira que irá deixar os cargos de direcção no grupo Sonae. Será na festa que assinalará, na sede da Maia, os 50 anos que passaram desde a entrada do jovem engenheiro na então conhecida Sociedade Nacional de Estratificados, em 1965. Mas “não vai ficar quieto e o país irá ficar a ganhar”, afirmou ao PÚBLICO fonte do grupo.

O que é que Belmiro de Azevedo vai fazer aos 77 anos de idade e depois de meio século num grupo que passou da indústria de aglomerados para uma presença marcante na distribuição moderna, na sociedade da informação, no turismo e em muito outros sectores (é dono do PÚBLICO) é ainda uma incógnita.

Seguro é apenas que a Efanor Investimentos, a sociedade através da qual Belmiro exerce o controlo sobre o grupo Sonae, não irá propor o seu nome para a próxima administração, a eleger na assembleia geral marcada para 30 de Abril, conforme foi esta segunda-feira comunicado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

O texto da Sonae SGPS revela que a lista de nomes propostos para os órgãos executivos “será divulgada oportunamente”, mas vai adiantando que encerrará uma fórmula pouco comum nos grandes grupos económicos portugueses, o exercício da presidência executiva a dois - algo que acontece, por exemplo, no germânico Deutsche Bank.

Com Belmiro a deixar a posição de chairman (presidência não executiva), a Efanor irá propor que o seu filho ocupe o lugar. Mas Paulo Azevedo será também co-CEO (presidente executivo), cargo que repartirá com Ângelo Paupério (actual vice-presidente da Sonae SGPS) e que nos últimos anos liderou a Sonaecom (proprietária do PÚBLICO). Em Portugal, os CTT são a única companhia do PSI 20 em que o chairman acumula também a presidência executiva da empresa.

O comunicado assinala que esta solução de presidência executiva repartida visa “assegurar uma filosofia de continuidade da gestão da sociedade para o futuro, em coerência com aquela que sempre foi desenvolvida até este momento em concertação com os interesses estratégicos dos seus accionistas.”

Belmiro de Azevedo deixou a presidência executiva da Sonae SGPS em 2007 e escolheu o filho, Paulo Azevedo, para lhe suceder no cargo. Manteve-se na presidência não executiva e passou a dedicar mais tempo à Sonae Indústria, companhia que enfrentou uma grave crise de mercado e que foi obrigada a lançar uma profunda reestruturação de negócios.

Quando assumiu o comando da Sonae, Belmiro tinha nas suas mãos uma empresa que se dedicava à produção de aglomerados de madeira, mas também um forte desejo de expandir o universo de negócios. Conseguiu fazê-lo quando ganhou músculo financeiro através da colocação em bolsa de várias empresas que pertenciam ao seu universo de negócios.

Mas a grande viragem que o grupo encetou em Portugal deu-se quando entrou no negócio da distribuição moderna, através do lançamento da rede de hipermercados Continente, que acabou por alavancar, também, o avanço para a construção de vários centros comerciais espalhados pelo país.

Outro aspecto marcante da carreira empresarial de Belmiro de Azevedo foi a aposta nas telecomunicações, em que criou um dos principais grupos portugueses que acabou por se aliar à antiga Zon, dando lugar à actual Nos. Nesta área, fica para a história a oferta pública de aquisição que lançou sobre a Portugal Telecom, que acabou por não surtir efeito depois de uma forte oposição da gestão da companhia e de alguns dos seus principais accionistas.

Paulo Azevedo, então presidente da Sonaecom, foi uma das figuras que emergiram neste processo, bem como Ângelo Paupério, que foi o responsável pela montagem de uma operação financeira como nunca tinha havido em Portugal.