Banif reduz prejuízo para 295 milhões em 2014

Exposição ao Grupo Espírito Santo teve um impacto negativo de 80,4 milhões de euros.

Foto
Filipe Arruda

O Banif registou um resultado líquido negativo de 295,4 milhões de euros no ano passado, uma melhoria face ao prejuízo de 470,3 milhões de euros apurado em 2013, informou o banco liderado por Jorge Tomé.

"Este valor foi fortemente penalizado pelo resultado líquido registado no quarto trimestre de 2014, no montante de -140,5 milhões de euros, que inclui factores relacionados com a actividade não corrente que ascenderam a -163,4 milhões de euros", lê-se no comunicado divulgado pelo Banif.

Dentro destes resultados não recorrentes, destacam-se as perdas em activos imobiliários, que ascenderam a -135,5 milhões de euros. Seguem-se-lhes a imparidade relativa à exposição ao Grupo Espírito Santo (GES), de 80,4 milhões de euros, a desvalorização na participação FINPRO (-30,5 milhões de euros) e os custos de reestruturação (-28,8 milhões de euros).

Pela positiva, nota para o lucro de 3,5 milhões de euros obtido pelo Banif em operações de venda de dívida pública portuguesa, que também integra a lista dos resultados não recorrentes.

No que toca à actividade, o banco apontou para a "recuperação acentuada do produto bancário", que cresceu 48% em termos homólogos para 208 milhões de euros, "em resultado da melhoria da margem financeira, das comissões líquidas e dos resultados em operações financeiras". A margem financeira subiu 3,2%, para 84,5 milhões de euros

Quanto aos custos, houve um recuo de 4,7% face a 2013, para 202,3 milhões de euros, em virtude da racionalização da estrutura do banco. "Excluindo os custos relacionados com o programa de rescisões por mútuo acordo, os custos de estrutura diminuíram 10,5% (-20,3 milhões de euros), realçou a instituição financeira.

O banco salientou ainda a "melhoria significativa do resultado operacional", que se fixou em 5,7 milhões de euros positivos em 2014, valor que compara com os -71,6 milhões de euros do ano anterior. "Esta evolução reflecte a recuperação do produto bancário e a redução dos custos de estrutura", sublinhou o Banif.

O Banif apontou também para "a evolução favorável na imparidade de crédito, que recuou 124,1 milhões de euros face a 2013", para 171,8 milhões de euros. E explicou que, excluindo a imparidade não recorrente relacionada com a exposição ao GES, a imparidade de crédito situou-se em cerca de 31% da registada em 2013 (passando de 295,9 milhões de euros para 91,8 milhões de euros), representando cerca de 1% do crédito bruto médio concedido.

O banco assinalou ainda a melhoria do rácio de transformação de depósitos em crédito, que se situou nos 105,5% no final do ano passado, quando atingia os 126,4% em Dezembro de 2013. O rácio common equity tier 1 do Banif estava no final de 2014 nos 8,4% (de acordo com o regime transitório para as novas regras europeias).

Menos 463 trabalhadores
No ano passado, o Banif acelerou a execução das medidas previstas no seu plano de reestruturação, tendo reduzido o quadro de pessoal em 463 funcionários e fechado 72 balcões no ano passado, informou o banco. "No âmbito do processo de transformação em curso, o ano de 2014 foi caracterizado pela forte aceleração das medidas previstas no plano de reestruturação, nomeadamente, através da antecipação dos planos de encerramento de agências e de reorganização dos serviços centrais e estruturas intermédias comerciais", indicou a instituição.

O Banif realçou que "apesar do impacto negativo em termos de custos de reestruturação registados em 2014, estas medidas foram consideradas críticas no sentido de possibilitar o reajustamento do modelo de negócio do banco, tendo em conta o actual enquadramento regulamentar e económico, e que se irá consubstanciar no reforço de reduções de custos a partir de 2015, inclusive". No que respeita ao número de agências bancárias em Portugal, registou-se uma diminuição de 72 agências entre Dezembro de 2013 e Dezembro de 2014.

Já no que toca ao seu quadro de pessoal, o número de colaboradores do grupo em Dezembro de 2014 situou-se nos 2733 trabalhadores, número que compara com 3.196 funcionários em Dezembro de 2013, ou seja, uma redução homóloga de 14,5%. Ao nível do Banif S.A., isto é, a actividade doméstica do banco, a redução foi ainda mais significativa, tendo terminado o ano de 2014 com 1.935 colaboradores, face aos 2.328 que apresentava em Dezembro de 2013, ou seja, uma redução de 17%. "Para a concretização deste objectivo foi fundamental a operacionalização de um programa de rescisões voluntárias, pré-reformas e reformas antecipadas que envolveu cerca de 400 colaboradores", destacou o banco

Sugerir correcção