Blogger morto à machadada na capital do Bangladesh

Avijit Roy, ateu e promotor do secularismo, já tinha sido ameaçado por fundamentalistas islâmicos pelas suas posições.

Protesto contra o assassínio de Avijit Roy
Foto
Protesto contra o assassínio de Avijit Roy Munir uz Zaman/AFP

Um conhecido blogger norte-americano de origem bangladeshiana foi assassinado a golpes de machado em Daca, a capital do Bangladesh. Os atacantes seguiram Avijit Roy e a mulher, Rafida Ahmed, depois de uma visita do casal a uma feira do livro na Universidade de Daca. Ahmed, que também é blogger, está ferida.

“Ele morreu quando estava a ser transportado para o hospital. Sofreu ferimentos fatais na cabeça. A sua mulher está gravemente ferida, perdeu um dedo”, disse o director da polícia local, Sirajul Islam.

O casal, emboscado pelos atacantes, foi encontrado num passeio com os corpos cobertos de sangue. A polícia recuperou dois machados usados: “Vários atacantes participaram e pelo menos dois atingiram-nos directamente.”

Autor de uma dezena de livros, Roy fundou um blogue muito popular em bengali chamado Mukto-mona (Livre Pensamento). Segundo o seu pai, Ajoy Roy, tinha recebido inúmeros emails e mensagens “ameaçadoras” nas redes sociais por parte de extremistas.

Roy, com 42 anos, era “um verdadeiro aliado, um defensor corajoso e eloquente da razão, da ciência, da liberdade de expressão, num país onde estes valores são alvo de ataques violentos”, declarou num comunicado o Center for Inquiry, uma associação de promoção do  livre pensamento nos Estados Unidos.

Imran H. Sarker, presidente da associação de bloggers do Bangladesh, descreveu um ataque “escandaloso” que o deixa “extremamente inquieto pela segurança dos escritores” no seu país. Pinaki Bhattacharya, blogger e amigo de Roy, lembrou que um distribuidor de livros online foi ameaçado por vender as obras do autor assassinado. “No Bangladesh, o alvo mais fácil é um ateu. Um ateu pode ser atacado e assassinado”, escreveu Bhattacharya no Facebook.

Em 2013, outro blogger ateu crítico do fanatismo religioso, Ahmed Rajib Haider, foi morto à machadada por um grupo islamista desconhecido. Na altura, houve várias manifestações nacionais de protesto, ao mesmo tempo que diferentes grupos islamistas ameaçavam bloggers e activistas acusados de blasfémia, pedindo que fossem executados.

O Governo de Sheikh Hasina, primeira-ministra, intensificou as medidas para proteger alguns dos ameaçados, mas prendeu outros e bloqueou sites e blogues. Oficialmente, o Bangladesh, país onde 90% dos 160 milhões de habitantes são muçulmanos, tem um governo secular.