Câmara do Porto

Administrador da Porto Lazer com a tutela da área financeira demite-se

Hugo Neto deixa o cargo por considerar que deixou de ter a confiança de Rui Moreira, presidente da empresa municipal.
Foto
Rui Moreira diz que vai apresentar provas que justificam as críticas que fez ao Governo na moção votada na câmara. Fernando Veludo/NFActos/Arquivo

O administrador executivo da Porto Lazer, responsável pela área financeira da empresa municipal, Hugo Neto, está de saída da administração e já formalizou a sua demissão ao presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, que tem a tutela da empresa de animação, desporto e lazer. Oficialmente o administrador invocou razões de natureza profissional para deixar o cargo, mas há quem garanta que a sua saída teve outras razões, que se prendem com a falta de confiança de Rui Moreira e a divergências com o outro administrador executivo, Luís Alves.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

A demissão já foi apresentada, mas Rui Moreira pediu ao administrador que se mantenha em funções até ao dia 21 de Março, porque para essa data está marcada a inauguração da praça artística que vai ser instalada junto à Estação de S. Bento, no espaço ocupado actualmente pelo parque de estacionamento. A iniciativa inscreve-se no âmbito do Projecto Locomotiva que resulta de uma parceria entre a Câmara do Porto, através da Porto Lazer e a Refer e que visa a revitalização de toda a zona envolvente da estação.

Nuno Lemos, um dos três assessores do actual Conselho de Administração, é apontado para suceder ao administrador demissionário, que ingressou na empresa em Junho de 2011, quando o ex-vereador de Rui Rio Vladimiro Felizes ficou com a tutela da Porto Lazer.

Ao que o PÚBLICO apurou, Hugo Neto abandona a administração daquela empresa municipal porque deixou de contar com a confiança política do presidente. De acordo com relatos feitos ao PÚBLICO, o ainda administrador terá dado conta a Rui Moreira do seu desconforto em relação a alguns procedimentos de gestão praticados na empresa e com os quais não concordava. Segundo as mesmas fontes, Hugo Neto terá abordado várias vezes Rui Moreira, mas o autarca independente não terá valorizado as suas preocupações.

Percebendo que o presidente, que é quem toma as decisões estratégicas, não estaria disponível para fazer rupturas, o administrador comunica então a sua demissão, porque entende que o seu desempenho na empresa corria riscos sem o apoio do autarca. Tanto mais que o outro administrador executivo, responsável pela gestão do parque desportivo na empresa, Luís Alves, conta com o apoio indefectível do vereador socialista de quem, de resto, foi director de campanha quando em 2013 Manuel Pizarro disputou a presidência da Câmara do Porto com Rui Moreira.

Contactado pelo PÚBLICO, Hugo Neto confirma que pediu a demissão, mas recusa falar das razões que o levaram a desistir de um projecto, que “alterou completamente a oferta cultural da cidade”. A única coisa que aceita dizer é que os seus objectivos na Porto Lazer estão cumpridos. “Contribuí para o crescimento e sustentabilidade da empresa e para a afirmação da cidade. Sobre quaisquer outras questões devem ser solicitadas ao presidente da empresa”, declarou o administrador.

Depois da querela com o vereador do CDS-PP, Manuel Sampaio Pimentel, a quem Rui Moreira ameaçou retirar os pelouros (uma decisão em relação à qual acabou por recuar) no Verão de 2014, a demissão do administrador da Porto Lazer é o segundo incidente com que o presidente da Câmara do Porto se depara em menos de um ano e meio de mandato.

Nas hostes sociais-democratas há um capital de descontentamento em relação à liderança de Rui Moreira, que é acusado de “deixar” a governação da Câmara do Porto entregue ao PS. Um dirigente do PSD garantia ontem que “Manuel Pizarro já impôs a sua agenda política nas empresas municipais, desde a Águas do Porto à Porto Lazer e Domus Social”. A mesma fonte adiantou que a situação “é muito preocupante” na empresa de habitação “onde há uma clara influência do PS”.

A Câmara do Porto não quis fazer nenhum comentário sobre o caso.