Associação 25 de Abril vai colaborar nas comemorações da Constituinte

Assunção Esteves teve almoço "quente e agradável" com Vasco Lourenço.

Vasco Lourenço afirma que os agentes políticos retiraram a “esperança” ao povo português
Foto
Vasco Lourenço Foto: Daniel Rocha

A Associação 25 de Abril vai colaborar com a Assembleia da República nas comemorações dos 40 anos das eleições para a Assembleia Constituinte. A revelação foi feita à Lusa pelo presidente da Associação, Vasco Lourenço, depois de um almoço com a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, e sobre o qual a informação divulgada foi escassa.

“A Assembleia [da República] está a preparar as comemorações dos 40 anos das eleições para a Assembleia Constituinte, e aí vamos colaborar”, anunciou Vasco Lourenço à Lusa, depois de na Associação ter sido dada a indicação aos jornalistas de que não haveria declarações sobre o almoço, que decorreu na sua sede, por ter uma natureza “íntima”.

Vasco Lourenço adiantou apenas que o motivo do encontro "foi um convívio”. O almoço constava da agenda oficial da Presidente da Assembleia da República. Contactado pelo PÚBLICO, o gabinete de Assunção Esteves informou apenas que o almoço foi “quente e agradável” e que “vai repetir-se”, mas não adiantou qualquer outra data.

Se a colaboração sobre as comemorações das eleições para a Constituinte parece certa, já o mesmo parece não acontecer com a celebração dos 41 anos da revolução dos cravos, ambos assinalados no próximo 25 de Abril. Questionado se a associação voltaria a estar presente na sessão solene no Parlamento, na qual não tem participado nos últimos anos, o antigo capitão de Abril afirmou que “isso não está em causa, não foi equacionado”, e escusou-se a prestar mais esclarecimentos.

A polémica entre Assunção Esteves e a direcção da Associação 25 de Abril foi pública no ano passado, quando nas comemorações dos 40 anos da revolução, os militares queriam intervir na sessão plenária no Parlamento, mas o pedido não foi atendido. A maioria parlamentar PSD/CDS recusou alterar os tempos de intervenção distribuídos a cada bancada para poder incluir mais um discurso. E os militares de Abril faltaram à sessão e promoveram uma celebração no Largo do Carmo, à mesma hora, que atraiu milhares de pessoas. O ex-Presidente da República Mário Soares preferiu também estar presente nesta iniciativa, faltando às tradicionais comemorações no Parlamento.  

Nessa altura, a poucos dias das comemorações dos 40 anos da revolução, a presidente da Assembleia da República tentou suavizar a polémica e visitou a Associação 25 de Abril. No final, Assunção Esteves expressou o seu “carinho e gratidão sem limites” que o Parlamento deve aos capitães de Abril. Horas antes o próprio Vasco Lourenço visitou no Parlamento a exposição “O nascimento de uma democracia”, mas a posição de não participar manteve-se inalterada. Já em 2012 e em 2013, a Associação 25 de Abril faltou às sessões solenes por considerar que a política seguida pelo Governo PSD/CDS contrariava os ideais da Revolução.