Hospital Amadora-Sintra tem 28 directores demissionários e nova direcção clínica

Directores de serviço protestam contra degradação das condições de trabalho. Administração do hospital já anunciou que a actual direcção clínica, que também merecia críticas dos médicos demissionários, será substituída.

Foto
PÚBLICO/Arquivo

Os directores de serviço do Hospital Amadora-Sintra apresentaram a sua demissão, numa carta enviada à administração hospitalar e que também foi reencaminhada para o ministro da Saúde e para o bastonário da Ordem dos Médicos. De acordo com informações avançadas nesta terça-feira pela TVI24, os médicos respondem desta forma à "preocupante" diminuição da qualidade de assistência aos doentes e à falta de recursos humanos.

O gabinete de imprensa do hospital confirmou ao PÚBLICO a recepção desta carta assinada por 28 directores de serviço e que terá sido enviada ao conselho de administração do Hospital Fernando Fonseca (conhecido por Amadora-Sintra) na passada quarta-feira, dia 11 de Fevereiro.

Segundo a carta divulgada pela TVI24, os profissionais consideram estar perante uma situação “preocupante”, tanto ao nível da degradação das condições de trabalho como da qualidade dos cuidados de saúde prestados. Na carta, os médicos falam na escassez de recursos humanos, argumentam que a administração e direcção clínica não foram capazes de "defender os interesses da instituição e das populações" e avisam que muitos dos problemas com que se deparam foram "previstos" e que eles próprios apresentaram propostas de soluções.

De acordo com o gabinete de imprensa do hospital, está agendada para esta quarta-feira de manhã uma reunião entre a administração e os directores demissionários onde se pretende "discutir, ponto por ponto, os motivos invocados" para esta posição. A mesma fonte assegura que a decisão da maioria dos directores de serviço (cinco optaram por se manter em funções) "não afecta a actividade assistencial do hospital". Entre as críticas dos médicos estará a "incapacidade de contratação de recursos humanos" do hospital, argumento que o gabinete de imprensa remete para a tutela. Por outro lado, está já decidido que será nomeada uma nova direcção clínica, dado que os médicos demissionários deixaram claro que não se revêem na actual.

A carta
"Temos assistido a uma progressiva degradação da capacidade de resposta às adversidades e a uma diminuição preocupante da qualidade assistencial", escrevem os médicos na carta, divulgada pela TVI24. Apesar de admitirem que a situação actual é "fruto de um conjunto de circuntâncias, algumas externas ao Hospital", os directores de serviço dizem não estar dispostos a manter os seus cargos perante a "progressiva degradação da instituição". Nos últimos anos, argumentam, "assistiu-se a uma saída preocupante de recursos humanos qualificados que não foram substituídos" e que resultou numa "ausência de resposta em especialidades fundamentais para manter uma actividade assistencial qualificada". Entre as especialidades mais afectadas por esta falta de recursos, os médicos destacam a Imagiologia/Neurorradiologia e a Anatomia Patológica, bem como a "diminuição preocupante do número de anestesistas e os problemas do Serviço de Urgência". E avisam: "Na vertente cirúrgica, a redução dos tempos operatórios vai condicionar o aumento das listas de espera, a redução de proveitos do Hospital, condenando-o à insolvência económico-financeira". 

Não é a primeira vez que os médicos do Amadora-Sintra reagem com um pedido de demissão. Em Janeiro de 2014, a direcção das urgências do mesmo hospital também chegou a apresentar um pedido de demissão, justificando que as condições de trabalho de então colocavam em risco a qualidade mínima no atendimento e a vida dos doentes. A situação acabou por ser ultrapassada e a equipa acabou por se manter em funções.

Já em Janeiro deste ano, os sete chefes da equipa do serviço de urgência do Hospital Garcia de Orta também apresentaram a sua demissão, invocando uma degradação das condições de trabalho.