Colunista David Carr morre na redacção do New York Times

Autor da coluna semanal Media Equation escreveu em 2008 um livro sobre o seu passado de toxicodependência.

A sua coluna publicava-se às segundas-feiras na secção de negócios do jornal
Foto
A sua coluna publicava-se às segundas-feiras na secção de negócios do jornal AFP PHOTO/The New York Times

David Carr, respeitado jornalista e analista de cultura e média do The New York Times, morreu quinta-feira aos 58 anos quando se encontrava na redacção do jornal. "Era um dos mais dotados jornalistas que alguma vez trabalhou" no diário americano, recordou o publisher do jornal, Arthur Ochs Sulzberger Jr.

“Carr colapsou no escritório” e foi transportado para o hospital o St. Luke's-Roosevelt, onde viria a ser declarado o óbito, adiantou o jornal algumas horas mais tarde.

Carr, de 58 anos, colaborava com a secção de cultura do jornal, na qual fundou a rubrica The Carpetbagger onde escrevia sobre as passadeiras vermelhas, temporadas de prémios e fait divers sobre esse ambiente. Era também um defensor do cinema independente norte-americano, além de autor de entrevistas com estrelas da música ou do cinema. 

Mas era sobretudo conhecido pela sua coluna Media Equation, em que escrevia sobre “os meios de comunicação e a sua intercepção com os negócios, a cultura e o governo”, escreve o jornal em obituário, recordando que foi um dos primeiros defensores da importância das redes sociais na paisagem cultural e mediática actual. Para Dean Baquet, editor executivo do NYTimes era "o melhor jornalista de média da sua geração".  Carr entrou para o diário nova-iorquino em 2002, como repórter de economia, depois de colaborar com a The Atlantic Monthly e a NYT Magazine. A sua coluna publicava-se às segundas-feiras na secção de negócios do jornal. As vitórias na sua carreira são tanto mais valiosas, reflectem esta sexta-feira os seus obituários, quanto os obstáculos que Carr ultrapassou - o jornalista relatou a sua luta com a toxicodependência no livro The Night of The Gun: A reporter investigates the darkest story of his life. His own

(2008)

.

Inaugurou um género.

A obra, um relato cru e sem muitas concessões, foi trabalhada como se de uma reportagem sobre si mesmo se tratasse, do seu papel de toxicodependente ao de dealer de crack e cocaína na década de 1980, entrevistando quem com ele se cruzou nessa época e relatando a sua lenta recuperação.

Além de detalhes como ter deixado as suas gémeas bebés no carro em Nova Iorque enquanto se encontrava com fornecedores de drogas - um momento de viragem. "Habito agora uma vida que não mereço, mas todos caminhamos neste planeta sentindo que somos fraudes. O truque é sermos gratos e esperar que a dança não termine em breve", rematou nas suas memórias. O ano passado, em Agosto, David Carr foi um dos convidados da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), no Brasil. Participou na mesa literária intitulada "Narradores do poder", ao lado da jornalista argentina Graciela Mochkofsky, onde falou sobre jornalismo e também sobre o seu livro de memórias, The Night of The Gun: A reporter investigates the darkest story of his life. His own.Sobre esta sua obra, que conta a sua vida de alguma maneira, David disse na altura que era sobre "uma pessoa que é má e que melhora, alguém que talvez não consiga transformar-se numa pessoa boa mas que com o tempo fica melhor do que era antes". Explicou que o retratado do seu livro era uma pessoa - que o público sentado naquela gigantesca plateia da maior festa literária brasileira certamente conhecia bem - , uma pessoa que "gosta de caipirinhas em demasia", que "durante a Festa da Cachaça é sempre aquele que cai e bate com a cara no chão de pedras de Paraty, ofende a mãe, insulta Deus e o resto do mundo mas não se culpa de nada. É um bêbado.""Estou a falar-vos de um bêbado que eu fui. Eu era um junkie, alguém que vos roubava as drogas e depois vos ajudava a procurá-las como se não tivesse feito nada. Não era certamente aquilo a que chamamos uma boa pessoa", acrescentou. Confessou que na sua vida já tinha sido um brutamontes, que tinha batido na mulher e vendido cocaína de má qualidade. Também disse que se considerava um toxicodependente em recuperação, lembrou que apesar de tudo tinha conseguido ficar com a custódia das suas duas filhas gémeas e conseguido trabalhar no New York Times apesar de estar doente com cancro.Nos tempos em que consumia, o jornalista veterano norte-americano engravidou a sua traficante. "O que talvez não tenha sido uma boa ideia", contou na FLIP, já que ela teve os filhos e os pais eram os dois viciados. Mas foi a responsabilidade se se ter tornado um pai solteiro que ajudou David Carr a livrar-se das drogas. "Eu sou católico, fui um marido péssimo, um filho péssimo, um amigo péssimo, mas ser um pai péssimo... Achei que Deus não me perdoaria. As minhas filhas ajudaram a que eu me focasse", acrescentou.Naquele palco disse também que como jornalista, às vezes, se sentia pessimista. “Tem sido uma desilusão para mim  - e ainda para mais tendo feito parte dos jornalistas que cobriram as eleições e que seguem a política da administração - ver que com esta administração Obama, que prometia ser a mais aberta da história, estamos num impasse político. E apesar de vivermos numa democracia e de termos uma imprensa livre, não estamos a conseguir fazer muito." Mas deixou também uma mensagem positiva. "A Internet fez com que revistas mensais se tornassem semanais, com que revistas semanais se tornassem diárias e com que as diárias passassem a dar notícias ao minuto. Mas há muitas coisas excelentes a serem produzidas.""Falámos aqui por exemplo sobre jornalismo literário, muito do que costumava demorar semanas ou meses agora é feito num relato diário e quotidiano. Eu acho que no New York Times e em outros jornais que eu leio, houve essa compressão do jornalismo literário para dentro dessa voz do jornalismo diário", afirmou Carr na FLIP. "O que vos posso dizer é que nem tudo está perdido. Acho que um dia, quando olharmos para trás, o que vamos ver é a idade do ouro do jornalismo. Isto porque as pessoas quando estão hoje em frente a um teclado sabem quase tudo. O que nos é dado no dia a dia é hoje muito mais rico do que costumava ser. "Nascido em Minneapolis em 1956, Carr estudou na Universidade do Minnesota e formou-se em Psicologia e Jornalismo. Foi um dos protagonistas do documentário Page One: Inside The New York Times

Era casado e tem três filhas.