Tsipras diz que a Grécia não pode ser chantageada

Fotogaleria
Tsipras diz que Atenas ainda espera ouvir propostas de Berlim AFP
Tsipras diz que Atenas ainda espera ouvir propostas de Berlim
Fotogaleria
Tsipras diz que Atenas ainda espera ouvir propostas de Berlim Louisa Gouliamaki/AFP

Manifestação contra a austeridade junta entre 5 e 7 mil pessoas em frente ao Parlamento em Atenas.

Tsipras disse que a Grécia tem propostas que pôs em cima da mesa e espera reacções. “Estamos à espera das propostas alemãs, ainda não as ouvimos”, acrescentou. “Esperamos que os nossos parceiros europeus respeitem a democracia tal como nós respeitamos as regras da União Europeia”, continuou. “Respeitaremos a regra para orçamentos equilibrados mas a austeridade não é um princípio fundador da União Europeia.”

O discurso surge quando após uma ronda pela Europa em que Atenas pareceu ganhar poucos apoios (apenas o comissário europeu da Economia, o francês Pierre Moscovici, veio dizer que os novos governos devem poder mudar de política – “se não, para que serve votar na União Europeia?”, disse Moscovici em Bruxelas), e depois de um encontro do ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, e do seu homólogo grego, Yanis Varoufakis, em que ambos apenas concordaram em discordar (Varoufakis disse que nem sequer nisto concordaram, contrariando o seu anfitrião).

Tsipras apresentou uma versão diferente: "Apenas numa semana conseguimos aliados que nunca tinhamos conseguido nos últimos cinco anos de crise", declarou. 

No que foi visto como o maior revés para o novo Governo grego, o BCE aumentou a pressão sobre Atenas ao cortar os apoios aos bancos gregos, o que quer dizer que estes poderão ter de recorrer a um mecanismo de financiamento de emergência.

Depois desta decisão, anunciada na quarta-feira à noite, foi convocada uma manifestação para a praça Syntagma em Atenas com as palavras-chave: “Não à chantagem – solidariedade – dignidade”. Ao final da tarde desta quinta-feira juntavam-se entre 5 e 7 mil pessoas em frente ao Parlamento. Houve pessoas a sair para a rua também em Salónica, Patras e Heraklion (Creta). Havia quem comentasse a raridade de gregos saírem para a rua a favor de um Executivo.

“O medo acabou no nosso país”, declarou pouco antes Tsipras no seu discurso frente aos deputados. “Temos de construir um país do zero, convido-vos a todos para a linha da frente.”