Geraldine McEwan: morreu a Miss Marple magrinha e atrevida

Conhecida em Portugal pela série Miss Marple, actualmente em exibição no canal Fox Crime, Geraldine McEwan foi uma das grandes actrizes inglesas da sua geração, com uma longa e premiada carreira nos nos palcos, no cinema e na televisão.

Foto
Geraldine McEwan no papel de Miss Marple

Morreu na sexta-feira aos 82 anos a actriz inglesa Gerladine McEwan, muito conhecida e admirada no Reino Unido pela sua carreira no teatro – partilhou os palcos com actores como Laurence Olivier ou John Gielgud –, mas cuja notoriedade internacional se ficou a dever mais aos papéis que desempenhou no cinema e, sobretudo, a algumas das suas interpretaçõe em séries televisivas.

Já septuagenária, protagonizou os doze episódios de uma nova série inspirada nos livros de Agatha Christie protagonizados por Miss Marple, actualmente em exibição na Fox Crime. Para quem se habituara a anteriores interpretações de Miss Marple, como as de Margaret Rutherford, Angela Lansbury ou Joan Hickson, a versão de McEwan pode causar estranheza, mas não é certo que seja menos fiel à personagem de Agatha Christie.

Esta Miss Marple, magrinha, atrevida e pouco respeitosa das convenções provocou alguma controvérsia no Reino Unido, mas é nos enredos que a série se afasta mais nitidamente das histórias de Agatha Christie. Nos quatro primeiros episódios, dois envolvem, por exemplo, ligações lésbicas que não existem nos livros respectivos, embora possa argumentar-se que o tópico é subtilmente sugerido em vários livros da autora. Na sua tentativa de modernizar a figura da avozinha detective da imaginária vilória de St. Mary Mead, a série não se coíbe também de pequenas provocações deliberadas, como a de mostrar Miss Marple, na qual se pode ver um alter-ego da rainha do policial de dedução britâncio, a ler avidamente romances e ensaios do mestre do policial americano, Raymond Chandler.

A actriz costumava  ironizar com o facto de muitos dos seus principais papéis terem já antes sido interpratados por actores célebres, como aconteceu com o de Jean Brodie, a heroína do romance The Prime of Miss Jean Brodie (Miss Jean Brodie na Flor da Idade, na edição da Presença), de Muriel Spark. McEwan foi Jean Brodie na série televisiva de 1978, após a prestigiadíssima Maggie Smith ter já brilhado no mesmo papel em 1969, no filme Quando a Primavera Acaba, de Ronald Neame. Depois de ver a série, a própria Muriel Spark afirmou preferir a interpretação de McEwan.

A actriz, que morreu no hospital de Charing Cross, em Londres, três meses após ter sofrido um AVC, estreou-se no cinema em 1953 com um papel secundário no filme There Was a Young Lady, de Lawrence Huntington. No ano seguinte foi convidada para protagonizar a série de televisão Crime On Your Hands, a sua primeira incursão no policial, precisamente 50 anos antes de começar a gravar, em 2004, os primeiros episódios de Miss Marple.

Altamente versátil, nos palcos tanto interpretava comédias contemporâneas como tragédias de Shakespeare, e a sua carreira no cinema mostra essa mesma diversidade. Entrou em comédias como No Kidding (1961), de Gerald Thomas, em filmes de aventuras como Robin Hood: Príncipe dos Ladrões (1991), de Kevin Reynolds, e foi ainda uma assustadora irmã Bridget, uma freira cruel e abusadora, em As Irmãs de Maria Madalena (2002), de Peter Mullan.

Nascida em 1932 numa família de ascendência irlandesa, Geraldine McEwan revelou um invulgar talento para a matemática quando frequentava o liceu, mas acabou por seguir a carreira teatral. Ela própria dizia que o momento de viragem ocorreu quando tinha 10 anos e um professor de elocução lhe deu uma fala de Lady Macbeth para estudar em casa. A escolha, reconhece a actriz, poderia não ser a mais adequada para uma rapariga de dez anos, mas McEwan diz ter percebido instintivamente o texto de Shakespare, que achou “maravilhoso”. Pouco tempo depois, aos 14 anos, estreava-se no Theatre Royal de Windsor, participando no elenco de uma produção de Sonho de Uma Noite de Verão.