Be My Eyes: com esta app podes ser os olhos de um cego

Aplicação desenvolvida por uma start-up dinamarquesa permite que os seus utilizadores sejam os olhos de pessoas cegas nos momentos em que podem precisar de ajuda

Uma simples chamada de vídeo entre dois iPhones pode fazer a diferença no dia-a-dia de pessoas cegas. Esta é a premissa de uma nova aplicação, desenvolvida por uma "start-up" na Dinamarca, que estabelece uma ponte entre cegos que precisam de ajuda e voluntários com visão que os podem ajudar. A ideia é que uns sejam os olhos dos outros, numa lógica de comunidade voluntária internacional.

O funcionamento da Be My Eyes é simples: qualquer pessoa se pode inscrever como voluntário e sempre que um membro da comunidade precisar de ajuda, recebe uma notificação. A ligação por vídeo em directo é estabelecida e o voluntário é convidado a ajudar quem está do outro lado e precisa, por exemplo, de saber a data de validade de um produto ou qual o melhor caminho a seguir na rua. Caso o voluntário em questão esteja ocupado, a chamada de vídeo é passada para outra pessoa.

Para garantir que o sistema de entreajuda não é utilizado para outros fins, cada um dos utilizadores é convidado a responder a um pequeno questionário sobre a experiência — os membros que não correspondam aos padrões da comunidade serão excluídos.

“A minha esperança é que ajudando-nos uns aos outros enquanto comunidade online, a Be My Eyes faça uma grande diferença na vida de pessoas cegas em todo o mundo”, escreveu Hans Jorgen Wiberg, um dos fundadores da “app”.

De acordo com o site da aplicação (apenas lançado a 15 de Janeiro), perto de 21 mil pessoas já foram ajudadas, de alguma forma, através de uma simples chamada de vídeo. A comunidade conta com cerca de 8.000 invisuais e quase 100.000 voluntários. Para já, o “download” apenas está disponível para iPhone e é gratuito. No entanto, os criadores adiantam que em Setembro de 2015 deixarão de ter financiamento, pelo que poderão vir a ter que cobrar um valor pela aplicação.