Figo candidato à presidência da FIFA para acabar com "escândalos"

"O futebol merece melhor", diz o ex-futebolista, que pretende mudar a imagem da instituição, que tem estado no centro de "escândalos" nos últimos anos.

O antigo internacional português Luís Figo vai candidatar-se à presidência da FIFA, a instituição que gere o futebol internacional.

Figo, de 42 anos, anunciou a intenção de destronar Joseph Blatter, em declarações à CNN. Figo fez ainda a confirmação de que está na corrida à liderança da organização na sua conta no Twitter: “Devo ao futebol o que sou e sinto que chegou a hora de retribuir. Sou candidato à presidência da FIFA.”

Determinado em alterar uma organização que lamenta estar frequentemente associada a “escândalos”, o antigo jogador do Sporting, Barcelona, Real Madrid e Inter de Milão, vencedor da Bola de Ouro (2000) e considerado o melhor jogador do mundo pela FIFA em 2001, está empenhado em melhorar a imagem da instituição que encabeça o futebol mundial - entre as suas atribuições está a organização dos Campeonatos do Mundo, a supervisão das transferências de jogadores, além de ter quatro votos em oito possíveis no International Board, o organismo responsável pelas regras da modalidade.

“Preocupo-me com o futebol e o que vejo quanto à imagem da FIFA – não só agora mas nos últimos anos – não me agrada”, afirmou numa entrevista ao canal de televisão norte-americano.

Figo lamenta que uma simples pesquisa online pela palavra FIFA devolva em primeiro lugar casos associados a polémicas e escândalos. “Se procuramos por FIFA na Internet a primeira palavra que surge é escândalo e não palavras positivas. É isso que temos que mudar em primeiro lugar e tentar melhorar a imagem da FIFA. O futebol merece muito melhor que isso”, argumenta o português, que diz ter recebido a mesma reacção por parte de “jogadores, agentes, presidentes de federações e adeptos”.

O antigo jogador afirma que os passos obrigatórios a dar na FIFA passam pela “mudança na liderança, governo, transparência e solidariedade”.

Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, já veio publicamente "apoiar e suportar" a iniciativa de Luís Figo.

Além de Figo, mais cinco pessoas anunciaram a candidatura à liderança da FIFA: o antigo jogador francês de futebol David Ginola; o francês Jerome Champagne, antigo vice-secretário-geral daquele organismo; o príncipe jordano Ali bin Al Hussein, vice-presidente da FIFA desde 2011; e Michael van Praag, presidente do comité de competições da UEFA. Joseph Blatter, que preside ao organismo desde 1998, vai candidatar-se a um quinto mandato. A oficialização das candidaturas à presidência da FIFA terminam esta quinta-feira. A eleição decorre em Maio próximo.

Figo indicou à CNN que se candidata com o apoio de cinco associações-membro da FIFA, como exigido, sem, no entanto, as nomear.

O português admite que tentar destronar Blatter não é um desafio fácil mas é um "desafio fantástico tentar e convencer as pessoas" a segui-lo e a apoiá-lo. "Por vezes pensamos que vamos perder e ganhamos, por vezes pensamos que vamos ganhar e perdemos. É essa a beleza do desporto. É essa a beleza desta corrida também. Não é fácil mas tenho que acreditar".