A cultura deixa marcas nas crianças

Projectos artísticos para crianças até aos cinco anos apoiados por Portugal, Islândia, Liechtenstein e Noruega.

Foto
Projectos artísticos para crianças até aos cinco anos serão apoiados por Portugal, Islândia, Liechtenstein e Noruega. Paulo Pimenta

O programa Pegada Cultural – Artes e Educação tem agora uma variante: Primeiros Passos. A Direcção-Geral das Artes vai apoiar projectos dirigidos a crianças até aos cinco anos, numa parceria com a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega. Um montante de 136 mil euros será distribuído por cinco projectos – um por cada região de Portugal continental: Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve.

“O apoio não é muito elevado para cada um, mas vai chamar a atenção para este público-alvo. É muito importante o contacto precoce com as artes”, diz ao PÚBLICO Susana Graça, responsável pelo programa, que aceita candidaturas até 20 de Fevereiro. As ilhas ficaram de fora por questões de “incapacidade legal” da Direcção-Geral das Artes (DGArtes).

“Podem concorrer companhias de teatro, de dança, escolas de criação artística, associações culturais e outras entidades ligadas às artes”, diz a também directora de serviços de planeamento, informação e recursos humanos da DGArtes. Informa que “as candidaturas deverão ser apresentadas em parceria com uma ou mais entidades artísticas dos outros países doadores”. Daí terem de ser apresentadas em inglês.

As áreas artísticas definidas são: arquitectura, artes digitais, artes visuais, dança, design, cruzamentos disciplinares, fotografia, música e teatro. “Cada projecto seleccionado contará com um financiamento máximo de 85% das despesas elegíveis, num montante máximo de 27.200 euros”, pode ler-se no site da DGArtes.


O bom exemplo da Noruega

Susana Graça valoriza “a colaboração próxima com a embaixada da Noruega” e quer realçar a experiência do Arts Council daquele país, “são muito focados na infância e investem bastante nos serviços educativos das instituições”.

Uma das iniciativas que descreve ao PÚBLICO chama-se “mochila cultural”, em que há uma mistura de várias artes que são depois apresentadas e dinamizadas nas escolas. “Existe há muitos anos e funciona a nível regional. A Noruega já colhe os frutos desta atenção dada às crianças.”

Em Portugal, a experiência da Pegada Cultural (sem restrição a um público-alvo específico) começou no ano passado e aquela responsável espera que a adesão seja idêntica para esta variante dos Primeiros Passos. Os cinco projectos seleccionados em Fevereiro de 2014 foram: Othello’s Anatomy – Arts and Education for Citizenship (várias valências, Lisboa); The Giant and the Little (teatro de marionetas, Évora); Mothers (teatro, Faro); Circus Lab (novo circo, Viseu) e Write a Science Opera (ópera, Porto).

Para se poder avaliar se os trabalhos “marcaram” efectivamente os intervenientes com uma “pegada cultural”, Susana Graça diz haver “uma série de indicadores, como número de escolas e de alunos envolvidos, e registos visuais e fílmicos do impacto do programa nos miúdos”. E está certa de que, “daqui a uns anos, os meninos que agora participarem nos projectos hão-de encher as salas de espectáculos”.