Reportagem

A promessa de Tsipras e Iglésias no comício do Syriza: "Then we take Berlin"

Líder do Syriza pede votação forte para um Governo estável.

Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

É na Grécia que vai começar uma mudança na Europa. Foi uma das mensagens de Alexis Tsipras no seu grande comício desta quinta-feira em Atenas, sublinhada pela presença de bandeiras da esquerda italiana ou de Espanha.

Thodoris e Katerina trazem uma bandeira de Espanha. “Acreditamos na Europa, e acreditamos que os países do Sul podem virar para uma direcção diferente”, dizem. “Esta bandeira é por isso não é só pela Grécia. Se tivéssemos uma bandeira portuguesa, também a trazíamos!”

Para eles, no fim do comício, o mais importante das palavras de Tsipras foi isso: “A mudança na Europa começa na Grécia.” Em inglês, um cartaz na multidão dizia: “Change for Greece, Change for Europe, Change for all”.

“Decidam o que vai acontecer”, pediu Tsipras no seu discurso. “Dêem-nos o vosso voto para estabilidade. Dêem-nos o poder para ajudar a Grécia a melhorar. Dêem ao Syriza e à Grécia um governo para escapar ao passado de corrupção, subordinação e memorandos destrutivos.”

As sondagens têm dado ao Syriza o primeiro lugar a primeira vitória da esquerda na Grécia , mas não uma maioria de deputados.

Tsipras prometeu unidade: “Não interessa o que votaram até ontem, iremos todos juntos, todos juntos, porque a pobreza não discrimina, o desemprego não discrimina, o desespero não discrimina. Todos juntos, porque o povo unido não pode ser vencido.”

O líder do Syriza também se referiu à chanceler alemã, Angela Merkel, dizendo que a Grécia não aceitará instruções vindas do estrangeiro.

No final do comício, ao lado de Tsipras, aparece Pablo Iglésias, o líder do partido espanhol Podemos. “Venceremos! Syriza, Podemos!”, grita a multidão. A música rimbomba em crescendo. “First, we take Manhattan...” A multidão rejubila: “Then we take Berlin!

Iglésias diz umas palavras em grego: “A mudança na Grécia chama-se Syriza, em Espanha é Podemos, as pessoas estão a falar a mesma linguagem.”

O comício acaba em alta. Segue-se a habitual escolha musical dos encontros do Syriza: há pessoas aos pulos com o hino da resistência anti-fascista de Itália Bella Ciao, há estrategas do partido a abanar a cabeça ao som de I fought the law dos Clash, um homem mais velho abre muito a boca para cantar o refrão de Patti Smith: “People have the poweeeer!”, um casal dança em cima de um caixote do lixo fazendo o V de vitória: “…the poweeeeer!

“É preciso mudar todo o sistema político na Europa. Como gregos, acreditamos primeiro na democracia”, diz Angelos Christodoulou, a enrolar um cigarro no meio da confusão. “Não queremos divórcio da União Europeia, mas não pode ser tudo à maneira deles.”

Há pessoas a tirar selfies com bandeiras do Syriza atrás.

Thrasivoulos Stavridopoulos desce uma avenida que sai da praça, inundada de gente, com uma bandeira do Syriza e uma postura séria, blazer de bombazina e gravata. Há cinco anos juntou-se ao partido. “Antes votava no Pasok [o partido socialista] mas depois da situação que este criou para o país, para a minha família, para o meu rendimento, mudei. Acho que este partido tem um programa melhor”, declara. “Sabemos que vai ser difícil, mas temos um bom programa”, garante. “É nosso dever negociar com os credores, a União Europeia, o FMI, o Banco Central Europeu. É um dever. Não o podemos evitar.”