Torne-se perito

Hospitais de S. João, Coimbra e Lisboa Norte continuam a liderar ranking

Versão definitiva de ranking apresenta algumas alterações, mas pódio mantém-se igual.

Hospitais públicos reduzem preços para as seguradoras
Foto
O caso do último fim-de-semana levou a uma sucessão de inquéritos já em curso Público

Os três maiores hospitais do país – os centros hospitalares São João (Porto), o Universitário de Coimbra e o de Lisboa Norte (que inclui o Santa Maria) – continuam a ocupar o topo do ranking elaborado desde há anos por investigadores da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), mas os resultados definitivos, que esta terça-feira serão divulgados, apontam para algumas alterações de pormenor.

Na lista principal, que avalia o desempenho global dos internamentos em 2013, na versão final continua tudo igual, à excepção do indicador que se refere às readmissões. Enquanto no relatório provisório, divulgado em Junho passado, o Centro Hospitalar do Alto Ave ocupava a primeira posição e o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) figurava na nona, nos resultados definitivos é o IPO (Instituto Português de Oncologia) do Porto que surge agora em no primeiro lugar, enquanto o CHLC fica no quinto e o Centro Hospitalar no Porto, no oitavo.

A primeira versão (provisória) da avaliação deste ranking de desempenho dos hospitais públicos em Portugal continental, além de identificar as dez melhores instituições (episódios de internamento), classificava as mais bem posicionadas em 17 agrupamentos de patologias.  

No desempenho global, os dez hospitais do pódio da ENSP nem sempre apresentam bons resultados noutros indicadores que também contam para a classificação final, como a mortalidade e as complicações. Por exemplo, o primeiro classificado, o Centro Hospitalar S. João, não figura nas dez primeiras posições no que diz respeito às complicações. Já o Centro Hospitalar de Coimbra ocupa o primeiro lugar neste indicador, mas está fora dos dez primeiros lugares nas readmissões.

Mas a maior parte das diferenças entre os dois documentos (o provisório e o final) encontra-se nas classificações por agrupamentos de doenças. Um exemplo: nas doenças cardiovasculares, os resultados intermédios colocavam o Centro Hospitalar (CH) de São João no primeiro lugar, e a posição mantém-se, mas o segundo lugar passa agora a ser ocupado pelo CH Universitário de Coimbra (na versão intermédia era o CH de Lisboa Central o segundo posicionado). No terceiro lugar também há mudanças, com o Hospital de Garcia de Orta (Almada) a ocupar agora esta posição (antes era o CH de Lisboa Norte). Para ter uma ideia de todas as alterações é necessário comparar os quadros que constam dos dois relatórios, sendo que o definitivo estará a partir de terça-feira disponível no site da ENSP.

Da autoria dos investigadores Carlos Costa e Sílvia Lopes,  este ranking baseia-se na avaliação do internamento para 17 agrupamentos de doenças e tem desencadeado alguma polémica. Para a elaboração desta lista foram considerados os hospitais responsáveis pelo tratamento de 99% do total de doentes internados, ficando de fora os hospitais com um volume de produção reduzido.