Alcôa vai ocupar antiga Casa da Sorte e promete preservar património

Loja concebida pelo arquitecto Conceição e Silva, com azulejos de Querubim Lapa, vai acolher a famosa pastelaria de Alcobaça. Proprietária garante que "nada vai ser tocado".

Azulejos do Mestre Querubim Lapa revestem parte das paredes da antiga loja de lotaria
Foto
Azulejos do Mestre Querubim Lapa revestem parte das paredes da antiga loja de lotaria Pedro Cunha/Arquivo

A Pastelaria Alcôa, de Alcobaça, vai ter a primeira loja em Lisboa, ocupando a antiga Casa da Sorte, no Chiado. A proprietária, Paula Alves, ainda não tem uma data para a abertura mas deixa uma garantia: o património arquitectónico e cultural do espaço vai ser preservado.

“Sabemos que é uma loja emblemática e queremos preservar o património arquitectónico e cultural, que para nós é uma mais-valia”, disse Paula Alves ao PÚBLICO. A concepção do espaço, situado na esquina da Rua Garrett com a Rua Ivens, é da autoria do arquitecto Conceição e Silva, que desenhou também o balcão, em 1960, e a decoração inclui azulejos do Mestre Querubim Lapa. “Jamais iríamos beliscar qualquer uma dessas coisas, vamos preservar”, sublinhou a dona da Alcôa, que alugou o espaço a um privado, cujo nome preferiu não revelar.

A loja de lotaria Casa da Sorte, que ali estava instalada desde 1963, fechou no Verão do ano passado. Na altura, o movimento de cidadãos Forum Cidadania Lisboa alertou a câmara para a “enorme perda patrimonial” que poderia representar para a cidade “um eventual roubo/mutilação/remoção dos azulejos do Mestre Querubim Lapa”. Nesta segunda-feira, os membros deste grupo voltaram a chamar a atenção da autarquia para a “necessidade de salvaguardar e estimar” o espaço.

O próprio Querubim Lapa, em Novembro, admitiu ao PÚBLICO estar preocupado com o futuro da sua obra

. Ficou "aterrorizado" quando soube do encerramento da casa de lotaria.  “A Casa da Sorte é toda em cerâmica, no exterior e no interior, e o meu receio é que venha a suceder o mesmo que na Loja das Meias, onde destruíram a cerâmica e nem tiveram o cuidado de tirar as peças para as oferecer ao Museu da Cidade.” Segundo o Mestre, a Casa da Sorte "antigamente era uma tabacaria, onde o Eça ia comprar os seus charutos”. Depois, o espaço transformou-se, no início dos anos 1960, com o projecto do arquitecto Conceição Silva, que convidou o ceramista para ali fazer uma profunda intervenção.

Em resposta a perguntas do PÚBLICO em Novembro, o Departamento de Património Cultural da Câmara de Lisboa esclareceu que a loja está “protegida”, por se inserir no Conjunto Classificado como de Interesse Público – Lisboa Pombalina. “Nessa medida, vem referenciada na Lista de Bens Imóveis de Interesse arquitectónico, histórico e paisagístico do PDM [Plano Director Municipal]”.

A autarquia reconhece que a loja tem “particularidades arquitectónicas e/ou decorativas relevantes, frequentemente associadas ao uso original do espaço, exigindo-se que as operações urbanísticas, nomeadamente as que visam a sua modernização ou alteração do uso, conservem a sua identidade arquitectónica e decorativa”. Em particular, os azulejos de Querubim Lapa também estão sob protecção da câmara, segundo o mesmo departamento.

No entanto, não é a obrigatoriedade da lei que leva Paula Alves a preservar a traça antiga. “Quem me conhece sabe que eu adoro tudo o que é antigo e tem história, e por isso quero manter tudo o que está na loja, só tenho pena que não haja ainda mais para preservar”, afirma.

A Alcôa tem uma tradição de quase 60 anos e além dos pastéis de nata – que lhe valeram o 1º lugar na competição do Melhor Pastel de Nata de 2014 – dedica-se “à centenária arte de bem confeccionar, em recipientes de cobre, os doces conventuais, seguindo a tradição dos Monges de Cister que habitaram a região de Alcobaça”, lê-se no site. Até agora, a pastelaria marca presença em Lisboa com uma banca no centro comercial El Corte Inglés, em São Sebastião. Quando abrir no Chiado, ainda não se sabe quando, será a concretização de “um sonho” que Paula Alves tem há muitos anos.