Antigo contabilista do BES já está a ser ouvido à porta fechada

Francisco Machado da Cruz entrou sorridente na comissão de inquérito.

Tal como aconteceu ontem, a audição desta quinta-feira volta a decorrer à porta fechada
Foto
Tal como aconteceu ontem, a audição desta quinta-feira volta a decorrer à porta fechada Nuno Ferreira Santos

O antigo contabilista do Banco Espírito Santo (BES), Francisco Machado da Cruz, já está a ser ouvido à porta fechada pelos deputados que integram a comissão parlamentar de inquérito para apurar os motivos por trás da derrocada do banco e do grupo que o suportava.

Ao contrário do que aconteceu ontem na audição do antigo controller financeiro do Grupo Espírito Santo (GES), José Castella, que também foi ouvido à porta fechada, Machado da Cruz deixou-se fotografar nesta quinta-feira pelos jornalistas presentes na sala 6 do Parlamento, apresentando-se sorridente à entrada da comissão, onde está acompanhado do seu advogado.

No final da audição desta quinta-feira, o presidente da comissão de inquérito, Fernando Negrão, irá prestar alguns esclarecimentos sobre as matérias que ali serão abordadas e que não estão sujeitas ao regime de segredo de justiça — precisamente o motivo invocado por Machado da Cruz para que fosse ouvido sem a presença de jornalistas na sala.

Na qualidade de antigo comissaire aux comptes do banco por onde passavam todas as suas principais decisões financeiras, Machado da Cruz é considerado, a par de José Castella e de Ricardo Salgado, um dos principais protagonistas da derrocada do BES e do GES. A sua audição é, por isso mesmo, uma das mais aguardadas pelos deputados.