Pavilhão melhorado para servir alunos e clubes

Espaço foi pintado e recebeu novos balneários, para substituir os que não tinham condições

Foto
Pedro Cunha

A abertura dos pavilhões escolares à comunidade não é novidade. Na Leonardo Coimbra essa é já uma realidade há quinze anos, como explica a directora do agrupamento escolar, Lisete Almeida, frisando que a empresa municipal Porto Lazer “já garantiu que respeitará” o acordo em vigor que permite que dez clubes ou grupos informais utilizem o espaço. As melhorias irão, contudo, permitir que a utilização do pavilhão, depois das 19h, de segunda a sexta-feira e durante todo o dia ao fim-de-semana, seja mais intensa.

A reabilitação do pavilhão gimnodesportivo custou 25 mil euros à empresa municipal Porto Lazer que, mediante protocolo com a escola, ficará responsável pela gestão do espaço no horário pós-escolar (nomeadamente, a presença de vigilantes), assumindo a escola apenas os gastos relacionados com o consumo de água e luz. Este é um modelo “a ser seguido noutras escolas”, garantiu Rui Moreira, salientando que há já alguns trabalhos em curso nesse sentido.

O autarca diz que esta é “uma boa opção”, para uma cidade como o Porto, com “uma enorme falta de equipamentos desportivos”. Sobretudo, em tempo de crise, quando “não há a possibilidade de construir [de raiz]”. Rui Moreira não quis, contudo, adiantar quantas escolas poderão beneficiar também do apoio da Porto Lazer, no apoio a espaços desportivos, para poderem acolher clubes e associações.

A câmara e a Porto Lazer estimam que o pavilhão da Leonardo Coimbra possa começar a receber os novos ocupantes a partir da “próxima época”, disse Rui Moreira, afirmando que, de momento, mesmo sem grandes condições, os clubes “já se organizaram”.

Luís Alves, da Porto Lazer garante ainda que as obras realizadas na Leonardo Coimbra podem permitir a homologação do espaço para a prática de voleibol e basquetebol, o que alargaria o leque de potenciais interessados em ocupar, durante algumas horas da semana, aquele espaço.