Maior importador de carros prevê que mercado cresça mais de 10%

Mercedes e BMW tiveram o melhor ano de sempre em Portugal.

Vendas de ligeiros de passageiros cresceram 35% no ano passado
Foto
Vendas de ligeiros de passageiros cresceram 35% no ano passado Adriano Miranda

A SIVA, que distribui em Portugal os automóveis das marcas Volskwagen, Audi e Skoda, vendeu aproximadamente mais 6300 ligeiros de passageiros no ano passado do que em 2013. Depois da subida acelerada que a generalidade das marcas registou em 2014, a empresa antecipa que o sector automóvel continue a crescer este ano, numa percentagem superior a dois dígitos.

O grupo, que é o maior importador do país, registou uma subida nas vendas dos automóveis ligeiros próxima dos 36%, um pouco acima da média do mercado, que foi de 35%. O ano foi de forte aceleração para um sector que afundara com a crise económica: em 2012, as vendas de automóveis tinham caído para níveis equivalentes aos de 1985, antes de começarem a subir, em meados de 2013.

“Estamos convencidos que o mercado de passageiros vai voltar a crescer, mais de 10%”, afirmou o administrador da SIVA, Fernando Monteiro, na conferência de apresentação de resultados. Monteiro indicou uma melhoria de confiança no consumo privado e o envelhecimento da frota automóvel como alguns dos factores que poderão contribuir para um aumento de vendas. “Estamos em limiares tão baixos que qualquer efeito positivo tem um efeito multiplicador”, observou. Mas frisou que não espera um retomar dos valores anteriores à recessão, qualificando a situação actual como “o novo normal”.

O desempenho das vendas contribuiu para um aumento de 16% no volume de negócios do grupo, que superou os 500 milhões de euros em 2014. A SIVA terminou o ano com uma quota de 17% no mercado de passageiros, que representa a grande maioria do sector automóvel.

Das marcas do grupo, a Volkswagen foi a que mais cresceu: 37%, para os 13.873 veículos, o que se traduz numa quota de mercado próxima de 10%. Foi, assim, a segunda mais vendida em Portugal, atrás da rival Renault, que teve uma fatia de 11%. O pódio é completado pela Peugeot, com 9%.

Entre as outras marcas importadas pela SIVA, a Skoda teve uma subida de 36%, para 2399 carros, mantendo a 17.ª posição. Por fim, as vendas da Audi subiram 33%, para 7954 exemplares, com esta marca a manter o sétimo lugar. A SIVA vendeu ainda cinco carros de marcas luxo: um Lamborghini e quatro Bentley.

Para este ano, em que aumentou o Imposto Sobre Veículos (aplicado à compra de automóveis novos), Fernando Monteiro antecipa preços semelhantes aos de 2014. “No sector automóvel já estamos em deflação há muito tempo”, notou, afirmando que os preços deverão manter-se “praticamente os preços actuais”.

Já para a BMW e a Mercedes, 2014 também trouxe boas notícias: ambas tiveram o melhor ano de sempre no mercado português. As vendas da BMW cresceram 41%, com a marca a vender 10.617 ligeiros de passageiros e a manter o quarto lugar na tabela. Já os Mini, do mesmo grupo, tiveram vendas de 1550 unidades, mais 25% do que em 2013. 

“O BMW Group vendeu no mercado 12.961 unidades, entre automóveis BMW e Mini e motociclos BMW, o que corresponde a um crescimento de 35% face ao ano anterior e representa o melhor ano de sempre para o BMW Group em Portugal”, afirmou a empresa, em comunicado.

Estes números são semelhantes aos da concorrente Mercedes, que fez também nesta quarta-feira a apresentação de resultados e cujas vendas subiram 39%, para 10.206 veículos. Terminou 2014 no quinto lugar. Por outro lado, os Smarts, a outra marca do grupo alemão Daimler, registaram uma quebra na procura: foram vendidos 1430 destes pequenos citadinos, uma descida de quase 9%.