Três portugueses com menos de 30 anos entre os mais bem-sucedidos do mundo para a Forbes

Cristiano Ronaldo, Vhils e Maria Pereira entre os melhores nas categorias Desporto, Arte e Estilo e Cuidados de Saúde.

Vinte listas destacaram 600 nomes de várias nacionalidades
Fotogaleria
Vinte listas destacaram 600 nomes de várias nacionalidades Forbes
Fotogaleria
Vhils, Maria Pereira e Cristiano Ronaldo DR

Aos 29 anos, e a um mês de cumprir os 30, Cristiano Ronaldo está entre os 30 desportistas mais marcantes da categoria Desporto, da quarta edição da “30 under 30” da Forbes. “Cristiano Ronaldo é o atleta mais bem pago do grupo, com ganhos de 80 milhões de dólares”, em 2013, escreve a revista norte-americana, sublinhando que o português está no segundo lugar dos atletas mais bem pagos em 2014, atrás de Floyd Mayweather, pugilista que em 2014 ganhou 105 milhões de dólares.

A Forbes realça ainda que Ronaldo foi “considerado um dos melhores de sempre”, três vezes campeão da Premier League com o Manchester United, antes de ter passado para o Real Madrid, em 2009, numa transferência multimilionária, e mais cara da história do futebol, de cerca de 94 milhões de euros.

Na categoria Arte e Estilo, Alexandre Farto, 27 anos, o artista que assina como Vhils, é o único português a ser destacado. A Forbes sublinha os murais que o português criou “em mais de 50 cidades de todo o mundo" e a exposição "Dissecação", que esteve patente o ano passado no Museu da Electricidade, em Lisboa, e que a revista lembra que "atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses". Mais recentemente, Vhils foi convidado pelos U2 para realizar o videoclipe para a canção Raised by Wolves, do álbum Songs of Innocence.

“Obrigado a todos os que me acompanharam e mais ainda aos que estiveram contra mim até hoje”, escreveu Vhils na sua página do Facebook, num comentário que acompanha o link para a lista da Forbes que partilhou.

A presença de portugueses na “30 under 30” fecha com Maria Pereira, 29 anos, um dos nomes de jovens incluídos na categoria Cuidados de Saúde. Licenciada em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Coimbra, contribuiu na Gecko Biomedical, nos Estados Unidos, para o desenvolvimento de um novo adesivo que permite reparar mais facilmente defeitos cardiovasculares que afectam bebés. O adesivo pode simplificar o processo de reparação e reduzir a necessidade de uma intervenção cirúrgica invasiva na primeira infância.

Em Agosto de 2014, a portuguesa foi nomeada pela revista internacional MIT Technology Review para a lista anual de inovadores com menos de 35 anos, pelo seu trabalho no campo da biotecnologia e medicina.