TaxRebate.org.uk
Foto
TaxRebate.org.uk

Megafone

“Low cost”?

Se todas as empresas optarem pela estratégia “low cost”, o desemprego aumenta e os empregados tornar-se-ão trabalhadores de baixo rendimento e alta precariedade

O rótulo “low cost” é um dos ícones da contemporaneidade. A expressão significa “custo baixo” e utiliza-se para caracterizar aqueles negócios que escolhem a estratégia de redução dos custos de produção ao mínimo para oferecerem os bens ou serviços a preços reduzidos. Isto é, custo baixo para o produtor e custo baixo para o comprador. Operando em grande escala, o produtor pode conseguir lucros significativos. E o consumidor fica todo satisfeito por adquirir o que quer a preços comedidos.

O fenómeno começou na aviação comercial, onde algumas empresas perceberam que podiam reduzir drasticamente os custos operacionais. Com isso, acabaram por revolucionar o mercado do transporte aéreo (que tinha sido criado para as elites e, por isso, praticava preços de elite). A verdade é que já a globalização ia avançada e este mercado ainda não se tinha ajustado à nova realidade: as viagens de avião serem tão banais como as de camioneta. As companhias aéreas “low cost” vieram ajustar o mercado à realidade.

A partir daí, a expressão ficou muito em voga e diversas áreas de negócio viram na estratégia de esmagamento dos custos de produção uma forma de poderem entrar nos mercados, praticando preços muito reduzidos e chamado a atenção daqueles que precisam de poupar. Esta estratégia tem-se espalhado, muitas vezes com grande sucesso comercial e financeiro para as empresas que a praticam.

Até aqui tudo bem. Quem não gosta de pagar pouco pelo que compra?

O problema vem depois, ao nível das consequências sistémicas destas estratégias. É que, fora as poupanças que é possível fazer ao nível da gestão eficiente dos recursos físicos, muitas poupanças são feitas à custa dos recursos humanos: porque se contratam o mínimo de trabalhadores, com os salários mais baixos e com a maior precarização possível.

O resultado é perigoso e paradoxal: se todas as empresas optarem pela estratégia “low cost”, o desemprego aumenta e os empregados tornar-se-ão trabalhadores de baixo rendimento e alta precariedade. A partir daí, o poder de compra desce e o que antes era “low cost” deixa de o ser. Ou seja, o próprio sistema pode autodestruir-se.

A verdade é que, mais do que consumidores, todos nós somos trabalhadores. A qualidade da nossa vida depende muito mais das nossas condições de trabalho (onde se inclui o nosso vencimento) do que das condições de consumo (quantas horas passamos a consumir e quantas passamos a trabalhar?). Numa sociedade bem funcionante, as duas coisas devem andar em paralelo: bons empregos e boa satisfação do consumidor. Porém, se se permitir que a estratégia “low cost” alastre aos recursos humanos, destrói-se esse equilíbrio.

Enfim, o ideal é deixarmos a estratégia “low cost” ficar confinada aos recursos físicos mantendo o respeito pela dignidade do trabalho. Só assim conseguiremos aproveitar os baixos preços sem que eles o sejam à nossa custa…

Sugerir correcção