Renováveis garantiram 63% do consumo eléctrico em Portugal em 2014

Barragens e parques eólicos asseguram valor recorde pelo menos dos últimos 15 anos e possivelmente desde os anos 1960.

Parques eólicos já acendem uma em cada quatro lâmpadas em Portugal
Foto
Parques eólicos já acendem uma em cada quatro lâmpadas em Portugal Paulo Pimenta

Quase dois terços de toda a electricidade consumida em Portugal em 2014 foram produzidos a partir da água, do vento e do sol. O saldo do ano aponta para 62,7% de electricidade de origem renovável, um valor inédito pelo menos nos últimos 15 anos e possivelmente sem paralelo desde a década de 1960.

A maior fatia da produção eléctrica veio das grandes barragens, que supriram 29,4% do consumo, segundo as contas da APREN-Associação de Energias Renováveis.

A seguir vêm os parques eólicos, com 23,7%. Ou seja, hoje em Portugal praticamente uma em cada quatro lâmpadas eléctricas é acesa com a energia do vento.

A terceira fonte para a electricidade em 2014 foi o carvão – a antítese das renováveis. Dos combustíveis utilizados nas centrais térmicas do país, é o mais sujo e o que mais liberta dióxido de carbono, o principal gás que está a aquecer o planeta. Mas com o valor do CO2 em baixa no mercado europeu de licenças de emissões, tem sido o preço do carvão em si – e não a sua factura ambiental – o determinante para a sua utilização para produzir electricidade em Portugal. Em 2014, a fatia que lhe coube foi de 22,2%.

O país também registou uma dependência menor da electricidade importada. Na verdade, Portugal exportou mais 30% e importou menos 22% de energia eléctrica. O saldo ainda foi negativo, mas representou apenas 1,8% do consumo total – um terço do valor de 2013.

O valor absoluto do peso das renováveis é o maior desde pelo menos 1999. António Sá da Costa, presidente da APREN, refere mesmo que só quando Portugal dependia essencialmente das barragens, nos anos 1960, é que a proporção de electricidade renovável terá sido superior.

A meteorologia conta muito para a produção das renováveis, dada a variação do nível das barragens ano a ano. Descontado este factor – que é corrigido por um índice de produtibilidade hidroeléctrica – a parcela das renováveis chegou em 2014 a 55,4%, contra 53,1% em 2013.

A meta do Governo é que haja 60% de electricidade renovável em 2020. “Só precisamos de crescer 1% por ano. É possível”, avalia António Sá da Costa. Ainda este ano a barragem do Baixo Sabor deverá começar a produzir electricidade e há mais projectos em curso.

As eólicas, que tiveram um crescimento de apenas 0,5% no ano passado, também ainda poderão subir nos próximos anos. Mas um novo salto grande, como foi dado nos últimos dez anos, está mais comprometido com a intenção do Governo de não garantir tarifas especiais para a electricidade produzida pelos parques eólicos. “Potencial para crescer existe. O problema é como será a remuneração”, resume o presidente da APREN.