The Clash, 1 de Janeiro de 1977: o concerto que nunca vimos

Julien Temple filmou a banda em concerto no Roxy, em Londres, mas as imagens mantiveram-se inéditas até ao primeiro dia de 2015

O documentário mostra os Clash em ensaios, em concerto ou conversando descontraídamente sobre a sua música
Fotogaleria
O documentário mostra os Clash em ensaios, em concerto ou conversando descontraídamente sobre a sua música DR
Na altura em Julien Temple os filmou, os Clash eram ainda desconhecidos para além da comunidade punk londrina
Fotogaleria
Na altura em Julien Temple os filmou, os Clash eram ainda desconhecidos para além da comunidade punk londrina DR

Em 1976, Julien Temple já andava com a câmara apontada aos Sex Pistols. Então um estudante de cinema em Londres, na National Film School, percebera a força que emanava do movimento punk prestes a contribuir para a agitação de uma nação em crise – a britânica. Temple não apontava apenas aos Pistols. No primeiro dia de 1977, filmou o concerto de uma banda, então ainda desconhecida fora da pequena comunidade punk (o álbum de estreia só chegaria quatro meses). A banda eram os Clash e esse concerto é a base do documentário agora divulgado: The Clash: New Year’s Day 1977 .

Estreado na BBC Four a 1 de Janeiro, o filme está disponível online gratuitamente. Realizador de The Great Rock’n’roll Swindle (1979),o histórico documentário que captura os Sex Pistols no seu tempo e contexto, ou de Joe Strummer: The Future Is Unwritten (2007), sobre a vida e obra do vocalista dos The Clash, Julien Temple classifica o novo filme como “o último artefacto punk”: “não consigo explicar porque demorei tanto tempo a fazer alguma coisa com isto”, declarou em entrevista à BBC News.

"Isto" são as imagens dos jovens Clash, registadas a preto e branco no então emergente formato vídeo, em ensaios numa sala gélida em Chalk Farm, em conversa íntima e descontraída sobre a sua música e as suas ambições e ao vivo no Roxy, um clube em Covent Garden tornado iconográfico da cultura punk.

Às precárias e granuladas imagens registadas com os Clash Julien Temple reuniu agora, recorrendo ao arquivo da BBC, excertos de programas, noticiários ou entrevistas televisivas (Thatcher, por exemplo, aparece brevemente) que contextualizam a natureza da música e atitude da banda. Temple incluiu-as na montagem por duas razões. Por querer chegar a mais público que o formado pelos fãs dos Clash e por considerar o filme tudo menos um exercício de nostalgia. “Acho que é sobre o futuro, não sobre o passado. De certa forma, o punk é um desafio ainda por cumprir. Penso que a energia do punk é muito necessária neste momento, ainda que tenha que erguer-se de outras formas”, disse na entrevista supracitada. “O medo de cortes e a fragilidade do sistema financeiro não é muito diferente. Há os receios relativamente à imigração. Algumas pessoas sentem-se marginalizadas da mesma forma”, reflectiu.

Activos entre 1976 e 1986, os The Clash foram uma das mais influentes bandas do punk e do rock’n’roll, autores de álbuns históricos como London Calling ou Sandinista!. Tiveram na formação clássica Joe Strummer, vocalista e guitarrista, Mick Jones, guitarrista, Paul Simonon, baixista e “Topper" Headon, baterista. Joe Strummer morreu, vítima de ataque cardíaco, em 2002, aos 50 anos.