Ana Borges, a outra portuguesa que está a conquistar os adeptos do Chelsea

Emigrou aos 18 anos, por 300 euros/mês, para ganhar a vida a jogar à bola. Antes de chegar a Londres, brilhou em Espanha e nos Estados Unidos. Já disse não a Barcelona e Liverpool, mas continua a sonhar… com o Sporting.

Foto
Foto: Fernando Veludo/NFactos

Lembra-se de trocar tudo por uma bola desde que se conhece, mas, quando a desafiavam a entrar para uma equipa, “não dava o flanco”. Até que um vizinho a levou “ao engano” para treinar com o conjunto da Fundação Laura Santos, de Gouveia, a cidade onde nasceu. “Disse-me para ir com ele e quando lá cheguei e as vi todas equipadas é que percebi, mas já não podia voltar para trás”, recorda, em conversa com o PÚBLICO. Hoje, Ana Borges tem muito para lhe agradecer, ou não fosse, aos 24 anos, uma das estrelas da equipa feminina do Chelsea e uma peça imprescindível da selecção nacional.

Mas a odisseia da lateral-direita, que com a camisola das “quinas” joga a extrema, começou a escrever-se bem mais cedo, com 18 anos acabados de fazer. Depois de cinco a jogar nos distritais, e de ter vencido o Torneio Inter-Associações pela selecção da Guarda, que a catapultou para a selecção nacional de sub-19, Ana Borges captou a atenção das espanholas do Prainsa Zaragoza, onde jogavam, na altura, as internacionais portuguesas Edite Fernandes e Sónia Matias.

Seria Edite, a jogadora no activo que mais vezes vestiu a camisola da selecção (114), a dar o empurrão decisivo, recomendando-a aos responsáveis do clube. “Destacava-se pela velocidade. De certeza que naquela altura não havia nenhuma jogadora mais rápida do que ela e, ainda hoje, tenho dúvidas de que haja”, confessa.

Ana Borges fez as malas e emigrou, não porque a proposta fosse irrecusável do ponto de vista financeiro – foi ganhar apenas 300 euros –, mas porque sabia que “aqui não teria futuro” e “destacou-se logo no primeiro ano”, assegura Edite Fernandes.

Entre duas presenças na final da Taça da Rainha, com as espanholas, Ana Borges abdicou de ter férias para, durante os Verões de 2012 e 2013, representar o Santa Clarita Blue Heat, dos EUA – o campeonato em Espanha joga-se de Agosto a Maio, mês em que se inicia a liga de Verão norte-americana.

Em 2013-14, a lateral portuguesa dava novo passo de gigante: trocava Saragoça por Madrid, para jogar no Atlético. Com a camisola das colchoneras, voltaria a dar nas vistas, de tal forma que, ao fim de uma época, os responsáveis do Chelsea fizeram questão de a contratar. “A adaptação foi mais difícil porque não falava inglês, mas foram todos muito simpáticos”, lembra.

A estreia não poderia ser mais feliz. “Saí do banco aos 60 e poucos minutos e marquei o golo da vitória [2-1], com o Everton, que nos permitiu passar do 6.º para o 2.º lugar”, recorda. Daí em diante, já com Ana Borges como titular indiscutível, as blues rapidamente ascenderiam ao primeiro posto, onde ficaram, até que, no final da prova, foram ultrapassadas pelo Liverpool.

A nova “menina bonita”
A jovem portuguesa só voltaria a marcar mais uma vez, mas foi acumulando assistências para golo e rapidamente granjeou adeptos – conta que é habitual ser requisitada para autógrafos e fotografias no final dos jogos. Os londrinos gostaram tanto do seu desempenho que, quando, em Outubro, a época terminou, já regressou a Portugal “aumentada” e com o contrato renovado. “Ainda que não se compare ao que ganham os jogadores no masculino, o que ganho dá para viver muito bem”, esclarece, mostrando-se especialmente entusiasmada com o facto de, na próxima época, ir jogar a Liga dos Campeões feminina pela primeira vez.

Admiradora de Ruud Van Nistelrooy e Ricardo Carvalho, habituou-se a que, onde quer que haja alguém que se aperceba que é portuguesa, lhe falem de Cristiano Ronaldo e de José Mourinho, ele que, reparou mal chegou ao clube, é visto em Stamford Bridge “como Deus”. “Dá logo para perceber que é ele que manda lá”, conta, apesar de ainda não o ter conhecido pessoalmente.

Não se arrepende de, antes de ir para o Chelsea, ter recusado uma proposta do Liverpool – o clube que ironicamente lhe roubaria o primeiro campeonato da carreira –, tal como há uns anos já tinha dito não ao Barcelona, para “não dar um passo maior do que a perna”.

De resto, conta quem a conhece, a humildade sempre foi seu apanágio. “Conhece-me há anos, já jogou tanto tempo comigo – e na selecção continua a jogar – e mesmo assim continua a tratar-me por você. Já lhe disse mais de quantas vezes para me tratar por tu, mas ela diz que é difícil”, partilha Edite Fernandes, de 35 anos.

É precisamente com a camisola da selecção que Ana Borges, já com 60 internacionalizações no escalão principal (mais 27 nas sub-19) regista dois dos melhores momentos da carreira: o dia em que vestiu pela primeira vez a camisola da selecção sub-19, com 16 anos, e um jogo frente à República da Irlanda, no Mundialito de 2012, em que marcou os dois golos da vitória portuguesa (2-1).

Quanto à família, garante que sempre a apoiou numa carreira que ainda é incomum entre as jogadoras portuguesas, mas lembra-se que quando chegava a casa e, em dois tempos, punha as bonecas de parte para ir “para o ringue jogar”, a mãe lhe perguntava: “Oh Ana, não te envergonhas de andar sempre com os rapazes?”  

Não se envergonhou e o resultado está à vista. Que desejos ainda tem por cumprir? Bom, entre os mais convencionais – ganhar o título pelo Chelsea e participar, por Portugal, na fase final de uma prova internacional –, descobrimos-lhe um bem curioso. É que o seu clube de eleição não é nenhum dos outros emblemas de topo da Europa, mas sim… um português. “Muitas vezes me perguntam qual é o meu sonho, se pudesse escolher qualquer clube para jogar qual seria. Ora, o meu sonho é jogar em Portugal, no Sporting, o meu clube do coração”, assegura, fazendo votos de que, à evolução do futebol feminino que tem notado em Portugal, se junte a vontade dos três grandes de apostar em equipas femininas.