Libertado estudante turco de 16 anos que tinha sido preso por insultar Erdogan

Foi a primeira detenção de um menor por insultos ao Presidente. Motivou fortes críticas da oposição, que denunciou uma “deriva fascizante” do regime conservador

Foto
Erdogan: o insulto ao chefe de Estado é proibido AFP

Um estudante turco de 16 anos, detido pela polícia por acusação de insulto ao Presidente, Recep Tayyip Erdogan, foi libertado, esta sexta-feira – noticiou a imprensa local.

A libertação ocorreu depois da apresentação de um recurso pelos advogados do menor, detido na quarta-feira.

Foi a primeira detenção de um menor por insultos ao Presidente e motivou fortes críticas da oposição, que denunciou uma “deriva fascizante” do regime conservador de Erdogan e um “clima de medo, opressão e ameaça”.

O insulto ao chefe de Estado é proibido pelo código penal turco e pode ser punido com quatro anos de prisão.

O jovem, não identificado, detido em Konya, no centro do país, fez as declarações que levaram à detenção numa cerimónia que assinalou a morte de um soldado turco por islamistas, nos anos 1920.

Terá defendido o secularismo e os princípios de Mustafa Kemal Ataturk, o fundador da Turquia moderna. De seguida, criticou o partido de Erodgan, o AKP, e o próprio Presidente por alegações de corrupção. No dia seguinte foi preso e acusado.

Sugerir correcção